Meteorologia

  • 19 JANEIRO 2020
Tempo
14º
MIN 9º MÁX 15º

Edição

Portugal deve ver investimento chinês a longo-prazo e com contrapartidas

O último governador português de Macau considera que o investimento chinês realizado em Portugal resultou da "fragilidade" da economia portuguesa nos últimos anos e defende trabalho a longo prazo, acautelando volume, áreas e obtendo "contrapartidas".

Portugal deve ver investimento chinês a longo-prazo e com contrapartidas
Notícias ao Minuto

06:02 - 15/12/19 por Lusa

Economia Vasco Rocha Vieira

Para o ex-governador, a sobreviver a uma crise económica que obrigou o país a recorrer à ajuda externa ('troika'), "Portugal não teve, nessa altura, o espaço de manobra suficiente para poder definir também o que é que queria em contrapartida".

"O contexto da nossa fragilidade, do ponto de vista financeiro, obstou a muitas coisas", referiu.

Naquela altura "a razão principal, não a única" que terá levado o país a negociar a estes investimentos, foi "minorar a dívida, conseguir melhorar o défice, conseguir que a situação difícil, do ponto de vista financeiro, melhorasse".

Esse objetivo era necessário referiu Rocha Vieira, mas "é pontual. De curtíssimo prazo" e "o investimento chinês deve ser visto no longo prazo", afirmou.

Além disso, na opinião do ex-governador de Macau, investimentos da China, devem ser também entendidos como investimento do Estado chinês.

"Grande parte do investimento chinês, vem de empresas do Estado. O Estado tem o capital. E, portanto, o Estado chinês não faz as coisas por acaso. Tem objetivos", sublinhou na entrevista à Lusa, a propósito do 20.º aniversário da transição da administração do território de Macau de Portugal para a China, que se celebra no próximo dia 20.

"O Estado chinês tem muitos objetivos, tem objetivos de aprender com os outros, de conseguir áreas fundamentais que lhe interessam para o seu desenvolvimento e para a sua presença no mundo em expansão, como seja o caso da energia, ou dos seguros, ou da saúde, onde estão, ou da própria banca. Tem esses objetivos", enumerou o também general do exército português.

Por isso, defendeu que "em qualquer dos casos (...) se deve acautelar, o volume, as áreas desse investimento e fazê-lo de uma forma em que haja contrapartidas, e em que os nossos interesses se conjuguem com os interesses dos chineses".

"Todos os países têm os seus objetivos e têm que saber defender os seus objetivos", referiu o último governador português de Macau, que agora integra o conselho geral e de supervisão da EDP, onde uma empresa chinesa é acionista de referência, não tendo, porém sido nomeado para o cargo por esse acionista.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhoras dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório