Meteorologia

  • 28 JANEIRO 2020
Tempo
17º
MIN 14º MÁX 17º

Edição

Costa satisfeito com apoio dos partidos contra a proposta finlandesa

O primeiro-ministro, António Costa, mostrou-se hoje satisfeito com o apoio de todos os partidos, menos a Iniciativa Liberal, à posição do Governo de rejeitar a proposta finlandesa de orçamento europeu e defender uma contribuição nacional de 1,16%.

Costa satisfeito com apoio dos partidos contra a proposta finlandesa

"Verifico com satisfação que, com exceção do deputado da Iniciativa Liberal, todos rejeitam a proposta finlandesa e isso dá muito conforto ao Governo para a posição que iremos assumir no Conselho Europeu" de quinta e sexta-feira em Bruxelas, disse o primeiro-ministro no debate preparatório do Conselho Europeu, que se seguiu ao debate quinzenal no parlamento.

Avisado de que o Chega não se pronunciou, e de que o deputado único do partido não se encontrava no hemiciclo, o primeiro-ministro afirmou que André Ventura "deve estar de acordo".

António Costa tinha iniciado o debate quinzenal pedindo um amplo consenso em torno da rejeição da proposta finlandesa para o Quadro Financeiro Plurianual para 2021-2027 e para a estratégia portuguesa de manter o esforço de contribuição de cada Estado-membro até 2027.

Sobre as questões levantadas pela oposição relativas à distribuição dos fundos nesse orçamento, o primeiro-ministro considerou que não se deve "cair na armadilha de discutir a distribuição dos fundos, porque a questão é o montante".

"A proposta finlandesa até reduz em 39%, quase 10 mil milhões de euros, os fundos alocados à defesa relativamente à proposta da Comissão. Não é isso que faz da proposta finlandesa uma proposta melhor. O nosso problema neste momento, e esse é o centro da batalha, tem a ver com o montante global do orçamento", disse.

António Costa reiterou, como tinha afirmado na primeira parte do debate, que Portugal vai bater-se por um "consenso institucional entre a proposta inicial da Comissão Europeia [1,11%] e a proposta inicial do Parlamento Europeu [1,3%]".

"A nossa base de partida deve ser pelo menos 1,16%, que corresponde a manter o mesmo esforço percentual do conjunto dos Estados relativamente àquilo que aceitaram há sete anos, descontando o Reino Unido", disse.

Essa posição, prosseguiu, "permitirá à primeira-ministra finlandesa dizer no parlamento finlandês que não aumenta o seu esforço e permitirá à UE beneficiar do aumento dos recursos necessários para satisfazer quer os objetivos da agenda estratégica, quer evitar qualquer tipo de corte na política de coesão e na Política Agrícola Comum (PAC)".

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhoras dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório