Meteorologia

  • 13 DEZEMBRO 2019
Tempo
16º
MIN 13º MÁX 17º

Edição

CGD sonda investidores para emissão de dívida a cinco anos em breve

A Caixa Geral de Depósitos (CGD) deve voltar ao mercado de dívida no "futuro próximo", pela primeira vez desde junho de 2018, para emitir títulos a cinco anos, e mandatou cinco instituições para reunir com investidores esta semana.

CGD sonda investidores para emissão de dívida a cinco anos em breve
Notícias ao Minuto

15:47 - 12/11/19 por Lusa

Economia Bloomberg

A agência Bloomberg noticia que a CGD mandatou cinco bancos de investimento -- Caixa BI, HSBC, Morgan Stanley, NatWest Markets e Société Générale -- para organizar uma série de reuniões com investidores em Paris e Londres.

Os encontros para auscultar a recetividade do mercado relativamente a títulos de dívida da CGD decorrerão nos dias 14 e 15 de novembro (quinta e sexta-feira, respetivamente).

O 'roadshow' decorrerá numa altura em que as taxas de juro dos títulos de dívida registam mínimos no mercado.

Segundo a mesma fonte, a CGD deve avançar com a emissão de títulos de dívida sénior ('SNP - Senior Non-Preferred') com maturidade de cinco anos e uma taxa de cupão fixa no "futuro próximo, sujeita às condições do mercado".

A Bloomberg adianta que os títulos deverão receber um 'rating' de 'Ba2' pela Moody's, 'BB+' pela Fitch e 'BBB' pela DBRS.

Será a primeira vez que o banco público irá ao mercado de dívida desde junho de 2018, no âmbito do processo de recapitalização, no valor de 4,9 mil milhões de euros.

Em 21 de junho, a CGD emitiu 500 milhões de euros em dívida 'tier2' a contar para o reforço de capital.

Em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a CGD indicou que a emissão tinha um prazo de 10 anos, com opção de reembolso antecipado pela CGD no final do quinto ano a uma taxa de juro de 5,75% nos primeiros cinco anos.

A emissão foi colocada exclusivamente junto de investidores institucionais, sobretudo gestores de ativos, tendo sido a última etapa do reforço do capital da CGD, acordada entre o Estado português e a Comissão Europeia em 2017.

Daquele valor, 3,9 mil milhões de euros vieram do Estado, sendo que 2,7 mil milhões de euros foram através de injeção de dinheiro, e foi ainda acordada uma emissão de mil milhões de euros de dívida, essencial para que a operação não fosse considerada ajuda do Estado.

A primeira parte da emissão de dívida foi realizada em 23 de março de 2017, no valor de 500 milhões de euros, a uma taxa de juro de 10,75%, tendo ficado a segunda parte da emissão agendada para 2018.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhoras dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório