Meteorologia

  • 13 DEZEMBRO 2019
Tempo
15º
MIN 14º MÁX 17º

Edição

CCP "não concebe compromisso" para salário mínimo sem critérios objetivos

A Confederação do Comércio e Serviços de Portugal (CCP) reafirmou hoje que "não concebe um compromisso" para o aumento do salário mínimo em 2020 sem correspondência em critérios objetivos.

CCP "não concebe compromisso" para salário mínimo sem critérios objetivos

A posição da CCP surge na véspera da reunião de Concertação Social, onde a ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho, deverá apresentar uma proposta para a remuneração mínima no próximo ano.

A CCP, que até hoje não avançou com qualquer valor para o salário mínimo, considera que os critérios de incremento a serem aplicados anualmente devem assegurar uma correspondência efetiva entre o aumento salarial e o crescimento da economia, sem prejuízo de uma majoração, fundamentada no papel também social do aumento do salário mínimo.

A atualização, afirma a confederação em comunicado hoje divulgado, "tem que ter na base as projeções" para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB), a inflação e a produtividade, além da majoração fundamentada no papel social.

"Esta Confederação não concebe um compromisso para o aumento da Retribuição Mínima Mensal Garantida (RMMG) em 2020 que não tenha correspondência em critérios objetivos", adianta no comunicado.

Na passada quarta-feira, a ministra do Trabalho disse pretender concluir a discussão sobre o aumento do salário mínimo para 2020 esta quarta-feira e sublinhou que a evolução da remuneração até 2023 será feita de forma "gradual e equilibrada".

A atualização do salário mínimo nacional para 2020 começou a ser discutida na Concertação Social na passada quarta-feira, mas o Governo não avançou com uma proposta, que será apresentada na quarta-feira, segundo Ana Mendes Godinho.

A meta traçada pelo Governo é atingir os 750 euros em 2023, sendo fixados os valores ano a ano, em negociação com os parceiros sociais, uma evolução que será feita "de uma forma gradual e equilibrada", adiantou Ana Mendes Godinho.

O salário mínimo é, atualmente, de 600 euros, com a UGT a reivindicar 660 euros para 2020 e a CGTP a exigir 850 euros a curto prazo.

As confederações patronais, segundo contou o líder da UGT, Carlos Silva, no final da reunião da Concertação Social, puseram em cima da mesa um valor de 625 euros para 2020, considerado "ridículo" pela central sindical.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhoras dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório