Meteorologia

  • 19 NOVEMBRO 2019
Tempo
13º
MIN 8º MÁX 13º

Edição

Função Pública pode renunciar comunicação prévia do valor da pensão

Os funcionários públicos que pedirem a reforma vão poder renunciar à comunicação prévia sobre o valor da pensão ou definir um prazo mais curto para decidirem se querem mesmo avançar para a aposentação, anunciou hoje a CGA.

Função Pública pode renunciar comunicação prévia do valor da pensão
Notícias ao Minuto

20:46 - 22/10/19 por Lusa

Economia CGA

A medida, apresentada esta tarde por responsáveis da Caixa Geral de Aposentações (CGA), tem como objetivo tornar mais célere a aprovação dos pedidos de reforma.

A comunicação prévia do valor da pensão a quem pediu a reforma foi uma medida implementada na Segurança Social e estendida à CGA, dando um prazo de 30 dias aos interessados para decidirem se querem mesmo avançar para a aposentação, tendo em conta o montante da mesma.

Segundo o diretor da CGA, Vasco Costa, o organismo que paga pensões à função pública pretende "ir mais longe" e, a partir "da primeira quinzena de dezembro", vai passar a permitir que os subscritores renunciem à comunicação prévia do valor da pensão ou peçam um prazo mais curto para poderem decidir.

O prazo de 30 dias é "excessivo", tendo em conta que o número de desistências na CGA é pouco significativo e implica que o processo seja mais lento em cerca de um mês, disse o responsável.

Os pedidos de reforma demoram em média 300 dias no caso das pensões unificadas (beneficiários com descontos para a CGA e para a segurança Social) e 100 dias no das não unificadas, de acordo com Vasco Costa.

A comunicação prévia será também alargada aos pedidos de reformas não antecipadas, continuou o responsável, já que "há cada vez mais requerentes" a pedirem para saber o valor da pensão antecipadamente para poderem decidir devido aos vários regimes de aposentação recentemente em vigor.

Em causa está, por exemplo, o fim do fator de sustentabilidade (corte de 14,5%) para quem aos 60 anos reunia 40 anos de descontos, que entrou em vigor em outubro, e o facto de ter passado a contar para o cálculo da pensão o momento do despacho e não a data do requerimento.

Estas alterações levaram, aliás, a um aumento "significativo" do número de pedidos de reforma na CGA, disse Vasco Costa, mas sem avançar números.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhoras dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório