Meteorologia

  • 19 OUTUBRO 2019
Tempo
18º
MIN 14º MÁX 19º

Edição

Trabalho por conta própria e em pequenas empresas representa 70%

Sete em cada dez trabalhadores no mundo trabalham por conta própria ou estão empregados em micro ou pequenas empresas, revela um estudo da Organização Mundial do Trabalho (OIT) divulgado hoje.

Trabalho por conta própria e em pequenas empresas representa 70%
Notícias ao Minuto

20:01 - 10/10/19 por Lusa

Economia OIT

O relatório 'Small matters: Global evidence on the contribution to employment by the self-employed, micro-enterprises and SMEs' analisa dados de 99 países e conclui que as chamadas "pequenas unidades económicas" representam "mais de 70% do total do emprego, fazendo, de longe, com que sejam os motores mais importantes do emprego".

De acordo com o estudo há, contudo, "diferenças consideráveis" entre os vários países e regiões e constata-se que o peso no total do emprego dos trabalhadores por conta própria e dos empregados em micro ou pequenas empresas é menor naqueles em que os salários são mais altos.

Nos países de elevados rendimentos, 58% do total do emprego é da responsabilidade das pequenas unidades económicas, enquanto que nos países de baixos e médios rendimentos a proporção é consideravelmente maior, diz a OIT.

Já nos países com menores níveis de rendimento, a proporção de emprego nas pequenas unidades económicas "é de quase 100%".

Na Europa e na Ásia Central, onde segundo o estudo estão os países de elevados rendimentos, a percentagem de trabalhadores por conta própria é de 10% e o peso dos trabalhadores em microempresas (até nove trabalhadores) é de 21,4%. O setor com maior peso neste segmento é o dos serviços (68,5%).

Por outro lado, no sul da Ásia, as percentagens são de quase 70% no caso dos trabalhadores por conta própria e de 20% nas microempresas, estando concentrados nos serviços e na agricultura.

O estudo refere ainda que, nos 99 países analisados, estima-se que 62% do emprego total, em média, é informal, mas também este indicador varia de forma significativa entre os países, sendo superior a 90% onde os salários são considerados baixos, como Madagáscar ou Costa do Marfim, e inferior a 5% em vários países europeus, como Áustria, Bélgica, Suíça, Irlanda, Luxemburgo e Dinamarca.

Segundo a OIT, os resultados do estudo possuem "elevada relevância" quanto às implicações nas políticas e programas de criação de emprego, empregos de qualidade, 'start-ups', produtividade e formalização do trabalho, pelo que defende ser necessário "maior foco nestas pequenas unidades económicas".

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhoras dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório