Meteorologia

  • 24 OUTUBRO 2019
Tempo
13º
MIN 12º MÁX 21º

Edição

Católica mantém crescimento do PIB de 2,1% em 2019

O núcleo de economistas da Universidade Católica manteve hoje a estimativa de crescimento da economia portuguesa para 2019 nos 2,1% do PIB, mas alertando para "riscos predominantemente descendentes", e reviu em baixa a previsão para 2020 e 2021.

Católica mantém crescimento do PIB de 2,1% em 2019
Notícias ao Minuto

15:07 - 09/10/19 por Lusa

Economia PIB

De acordo com o Núcleo de Estudos de Conjuntura da Economia Portuguesa (NECEP) da Católica, "o desempenho da economia portuguesa em 2019 dependerá da evolução do investimento e da procura externa" e nesse sentido "os dados mais recentes do comércio mundial desaconselham uma leitura confiante".

"Neste contexto, o NECEP mantém, ainda assim, a sua projeção anterior de um cenário central de crescimento do PIB [Produto Interno Bruto] de 2,1% em 2019", lê-se na folha trimestral de conjuntura relativa ao terceiro trimestre de 2019.

Os economistas sublinham que a estimativa para 2019 "encerra riscos predominantemente descendentes face à intensificação dos fatores de incerteza, nomeadamente, ao nível da economia da zona euro onde o terceiro trimestre poderá ter sido bastante fraco, com um crescimento em cadeia de apenas 0,1%".

A manutenção da estimativa de um crescimento da economia de 2,1% assenta, por um lado, na revisão em alta do Instituto Nacional de Estatística (INE) devido à atualização da base das contas nacionais e, por outro, à "relativa estabilidade do crescimento em cadeia observada nos últimos trimestres", diz o NECEP.

Para o terceiro trimestre do ano, os economistas estimam um crescimento da economia de 0,5% em cadeia e de 2,1% em termos homólogos, "sem alteração significativa face aos níveis de crescimento do trimestre anterior (0,6% e 1,9%, respetivamente)".

"Com efeito, a generalidade dos indicadores de alta frequência aponta no sentido da estabilização do crescimento face ao segundo trimestre do ano. Para já, a manutenção dos indicadores em patamares absolutos acima da média histórica permite concluir que a recuperação da economia, iniciada em 2013, continua em curso", avançam os economistas.

O NECEP estima ainda que, no terceiro trimestre do ano, a taxa de desemprego terá descido de 6,3% para 6,1%.

Para os anos seguintes, o NECEP defende que a revisão dos dados do INE, a fragilidade da economia da zona euro e a debilidade do comércio internacional "justificam uma maior prudência no cenário central da previsão de crescimento para 2020", apontando para uma recuperação de 1,9%, contra os anteriores 2,1%.

"Os fatores de incerteza justificam um intervalo de projeção alargado, agora situado entre 1,2% e 2,6%", acrescentam os economistas.

Já para 2021, o NECEP avança com uma "substantiva revisão em baixa" em menos 0,4 pontos percentuais, estimando agora um crescimento de 1,7% do PIB.

"A incerteza é muito significativa neste âmbito como resultado, em larga medida, do ambiente preocupante que rodeia a economia mundial na atualidade", lê-se no documento.

Os economistas apontam ainda "alguma incerteza adicional associada ao comportamento do Governo no período pós-eleitoral".

"Se, por um lado, os resultados eleitorais das legislativas de 06 de outubro reforçaram o peso do Partido Socialista (PS), o principal partido do Governo, no Parlamento, por outro lado, os riscos políticos parecem ter aumentado já que não se vislumbra, ainda, qual a solução política governativa, nem quando será conhecida", realça o NECEP.

O Governo estimou em abril, no Programa de Estabilidade, um crescimento do PIB de 1,9% para 2019 e 2020 e de 2% para 2021.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhoras dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório