Meteorologia

  • 19 SETEMBRO 2019
Tempo
17º
MIN 16º MÁX 27º

Edição

Sindicalista acusa Randstad de o suspender "sem motivos"

Um dirigente de Braga do Sindicato dos Trabalhadores de Call Center (STCC) acusou hoje a Randstad de o ter suspendido de funções há dois meses "sem motivos" e diz que a questão começa a "configurar-se um caso de perseguição sindical".

Sindicalista acusa Randstad de o suspender "sem motivos"
Notícias ao Minuto

18:27 - 12/09/19 por Lusa

Economia Randstad

Esta tarde, em conferência de imprensa, Nuno Geraldes deu conta de que foi convidado a demitir-se e que perante a sua recusa foi suspenso no dia seguinte, faz "precisamente hoje 2 meses", embora esteja a receber o vencimento, ainda que não por inteiro.

"Não há nenhuma situação em particular. Já trabalho aqui ainda isto pertencia à IBM, trabalhei para a ADECCO, agora para a Randstad, e nunca houve problema com nenhuma das entidades patronais. Sou reconhecido, quer por eles quer pelos colegas, como um trabalhador exemplar, quer a nível técnico quer na relação com os outros", referiu o sindicalista.

A Lusa tentou entrar em contacto com a Randstad, empresa holandesa especializada em soluções de trabalho flexível e recursos humanos, que funciona no edifício da Concentrix, em Braga, mas até ao momento não foi possível.

Nuno Geraldes explicou que lhe foi feita "uma proposta para abandonar" a empresa e que perante a recusa foi suspenso: "Foi colocada uma carta à frente, a dizer que estaria suspenso para investigação de algo que é uma situação gravíssima, mas não diz qual é e não há qualquer prova", garantiu, sem querer, no entanto explicar a que situação a carta se referia.

Segundo o sindicalista "tendo em conta os prazos, sem acusação, começa a configurar-se como um caso de perseguição sindical".

O dirigente garante que não quer deixar de trabalhar e que o seu objetivo é a "reintegração na empresa, para exercer a atividade profissional e sindical".

O STCC salientou, através do dirigente Manuel Afonso, que o prazo para a "apresentação da nota de culpa já foi superado" e exigiu o retorno de Nuno Geraldes às suas funções, garantindo o apoio do sindicato para que tal aconteça.

"Estamos convencidos (...) que a empresa não terá grandes alternativas. Queríamos que o assunto se resolvesse antes de darmos um passo em frente, ou seja, avançar com uma queixa na Autoridade para as Condições de Trabalho (ACT) e, se for necessário, seremos obrigados a avançar diretamente para a justiça", disse.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhoras dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório