Meteorologia

  • 16 OUTUBRO 2019
Tempo
13º
MIN 13º MÁX 21º

Edição

Dívida: Colocados mil milhões a 3 e 11 meses a juros ainda mais negativos

Portugal colocou hoje 1.000 milhões de euros, montante máximo anunciado em Bilhetes do Tesouro (BT) a três e a 11 meses, a taxas de juro ainda mais negativas nos dois prazos, foi anunciado.

Dívida: Colocados mil milhões a 3 e 11 meses a juros ainda mais negativos

De acordo com a página da Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública (IGCP) na agência Bloomberg, a 11 meses foram colocados 750 milhões de euros em BT à taxa de juro média de -0,557%, mais negativa do que a registada em 19 de junho, quando foram colocados 1.000 milhões de euros em BT a -0,395%.

A três meses foram colocados hoje 250 milhões de euros em BT à taxa média de -0,563%, mais negativa do que a verificada em 19 de junho, quando foram colocados 250 milhões de euros a -0,425%.

"Portugal volta a ver mínimos históricos nos leilões de dívida de curto prazo", afirmou Filipe Silva, diretor da gestão de ativos do Banco Carregosa.

A procura atingiu 1.090 milhões de euros para os BT a 11 meses, 4,36 vezes superior ao montante colocado, e 1.535 milhões de euros para os BT a três meses, 2,05 vezes o montante colocado.

A procura no duplo leilão de hoje foi maior que na última emissão comparável, de 19 de junho, quando atingiu 1.705 milhões de euros para os BT a 11 meses, uma procura 1,71 vezes superior ao montante colocado, e 775 milhões de euros para os BT a três meses, 3,10 vezes o montante colocado.

IGCP tinha já anunciado que os BT a serem leiloados hoje têm maturidades em 22 de novembro de 2019 (três meses) e 17 de julho de 2020 (11 meses) e que o montante indicativo global era entre 750 milhões e 1.000 milhões de euros.

No último leilão comparável, em 19 de junho, Portugal colocou 1.250 milhões de euros, montante máximo anunciado, em BT a três e a 11 meses, a taxas de juro mais negativas nos dois prazos.

"O cenário atual tem vindo a ser muito benéfico para Portugal pois tem vindo a permitir reduzir o custo médio da nossa dívida", afirmou Filipe Silva, frisando que "os receios de uma possível recessão e um discurso mais cauteloso por parte dos bancos centrais tem levado os prémios de risco da dívida soberana mundial para mínimos sem precedentes" e "a possibilidade de novas medidas de estímulo para as economias, para fomentarem o crescimento e inflação, continuam a suportar a tendência".

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhoras dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório