Meteorologia

  • 02 JULHO 2020
Tempo
21º
MIN 16º MÁX 25º

Edição

Setor da distribuição preveniu-se antes da greve e não sofre perturbações

O diretor-geral da Associação Portuguesa de Empresas de Distribuição garantiu hoje que o setor não sofreu perturbações devido à greve dos motoristas de matérias perigosas, mas alerta que a manutenção da paralisação vai afetar toda a economia.

Setor da distribuição preveniu-se antes da greve e não sofre perturbações
Notícias ao Minuto

12:58 - 16/08/19 por Lusa

Economia APED

"A APED não tem indicação, até ao momento, de perturbações relevantes no funcionamento dos espaços da distribuição em todo o país", disse à Lusa o diretor-geral da associação, Gonçalo Lobo Xavier, reiterando o que a APED indicou ao Notícias ao Minuto na última quarta-feira.

A manutenção da normalidade no setor da distribuição - que inclui super e hipermercados, grandes cadeias de vestuário ou de móveis - deve-se, segundo o mesmo responsável, à prevenção feita antes da greve.

"Antes da greve, o setor reforçou toda a sua logística, situação que contribuiu para manter o fornecimento de produtos aos consumidores", explicou Gonçalo Lobo Xavier.

No entanto, avisa o diretor-geral da associação, "se a paralisação se mantiver e existirem limitações no fornecimento de combustíveis, todos os setores da economia portuguesa serão afetados e a distribuição não será exceção".

A greve que começou na segunda-feira, por tempo indeterminado, foi convocada pelo Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP) e pelo Sindicato Independente dos Motoristas de Mercadorias (SIMM), com o objetivo de reivindicar junto da Associação Nacional de Transportadores Públicos Rodoviários de Mercadorias (Antram) o cumprimento do acordo assinado em maio, que prevê uma progressão salarial.

Ainda na segunda-feira, o Governo decretou a requisição civil, alegando o incumprimento dos serviços mínimos.

No entanto, na quinta-feira, o SIMM decidiu desconvocar a paralisação, na sequência de uma reunião com o Ministério das Infraestruturas e a Antram.

"Chegámos à conclusão de que esta greve não surtiu os efeitos que desejávamos", disse Anacleto Rodrigues, porta-voz do SIMM.

Esta posição do SIMM deixou o Sindicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas sozinho no protesto, depois de esta estrutura sindical ter pedido na quinta-feira a mediação do Governo para chegar a um entendimento com a Antram.

Hoje, o presidente do Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas, Francisco São Bento, disse que a greve vai continuar "como até agora" e admitiu que a paralisação pode durar até um ano.

"Vamos continuar nos mesmos moldes", afirmou, acrescentando que a paralisação continuará "até que se chegue a um entendimento".

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório