Meteorologia

  • 20 NOVEMBRO 2019
Tempo
13º
MIN 11º MÁX 15º

Edição

Capital do Móvel já começou com expectativa de receber 30 mil visitantes

A primeira edição da Feira Capital do Móvel fora de Paços de Ferreira arrancou hoje na Alfândega, no Porto, tendo na primeira hora recebido os primeiros 100 visitantes de um total de "30 mil", que a organização espera receber.

Capital do Móvel já começou com expectativa de receber 30 mil visitantes
Notícias ao Minuto

14:38 - 03/08/19 por Lusa

Economia Porto

Com cerca de 50 expositores, são esperados, segundo o presidente da Associação Empresarial de Paços de Ferreira (AEPF), Rui Carneiro, "no mínimo, 30 mil visitantes, o dobro do número registado em abril, na edição realizada em Paços de Ferreira.

Ouvidos pela Lusa, vários empresários presentes no certame consideraram que a realização da feira no Porto é "uma excelente oportunidade" por ser "uma cidade que tem muito turismo" e que "está em crescimento".

Teresa Pacheco, responsável por uma empresa que iniciou a sua atividade em 1936 e que fabrica mobiliário rustico, em madeira velha de castanho, disse ter concordado com a iniciativa da Associação Empresarial de Paços de Ferreira porque "o Porto está a bombar e sabemos que há muitos investidores que estão a reconstruir as casas antigas do Porto".

"Acho que o nosso mobiliário é muito específico para esse tipo de reconstruções e achamos que era o momento certo para, depois de uma interrupção, voltarmos a estar presentes neste certame", sublinhou.

A empresária lembrou que "o conceito de Capital do Móvel surgiu em Paços de Ferreira e que foi com muito custo que isso se conseguiu", esperando, por isso, que "com a deslocação desta feira para o Porto, ou para outro sítio qualquer, não se esqueça a origem".

Admitiu, contudo, que a associação terá apostado bem porque "o Porto é o Porto e está em grande expansão".

"Foi por isso que quisemos fazer esta aposta também", frisou Teresa Pacheco.

A empresária Ana Sofia Silva, que participa desde há 14 anos em várias feiras da Capital do Móvel, considerou, em declarações à Lusa, que "a ideia de alargar ao Porto é arriscada, porque a capital do Móvel é Paços de Ferreira, estamos a deslocalizá-la".

Mas, acrescentou, "acredito que vai dar frutos e que vai correr melhor do que as últimas que se têm realizado em Paços de Ferreira".

António Machado, um dos proprietários de "uma empresa que já vai na terceira geração a trabalhar as madeiras, com necessidade de reinventar o processo de fabrico e o design das peças", disse à Lusa que sempre defendeu a tese de que "se deveria ir ao encontro do cliente".

"Não podemos estar à espera que o cliente vá a Paços de Ferreira. Acho que foi uma boa iniciativa da associação vir para o Porto, por ser uma cidade que tem muito turismo e que está em crescimento", sustentou.

O empresário vai mais longe ao defender que se deveria "fazer uma feira itinerante. Ir ao encontro do cliente, de preferência em edifícios emblemáticos, como é o caso aqui da Alfândega".

Com a intenção de "comprar uma cama", Vera e o marido, Carlos Ferreira, vieram de Ferreira do Zêzere, pela primeira vez ao Porto e à exposição.

"Tem mobiliário diferente, várias opções de escolha e espero sair daqui com uma cama comprada", disse Carlos Ferreira, considerando que "o contacto direto é sempre melhor do que comprar pela Internet".

O casal já tem "duas ou três opções", mas "a decisão final será tomada pela esposa, para depois não haver problemas".

De Amarante, Nelson Soares veio com a família "de propósito" à feira, porque "se Deus quiser, daqui a dois meses" terão a sua nova casa pronta.

"Como vendemos a casa antiga com todos os móveis, vamos optar por mobilar a casa com tudo à medida. Aproveitamos para vir aqui porque tem tudo. É uma boa oportunidade", acrescentou.

João Tavares, de Loures, está a passar férias no Porto e, como está a mudar de casa, aproveitou a visita para "tirar ideias".

"Vamos ver se vamos fazer negócio aqui, estamos muito interessados nuns móveis para a sala", acrescentou.

A 53.ª edição da Capital do Móvel decorre até 11 de agosto.

O presidente da AEPF indicou que o objetivo da mudança de localização do evento é "ampliar fronteiras e construir pontes rumo a novos horizontes".

"Vivemos um momento positivo de expansão, e este é um excelente momento de arriscar novos caminhos", disse.

A AEPF destaca que as empresas do concelho de Paços de Ferreira exportam cerca de 422 milhões de euros por ano, segundo dados de 2018 do Instituto Nacional de Estatística (INE).

"No concelho de Paços de Ferreira existem mais de 5.500 empresas, sendo cerca de 735 fabricantes de mobiliário", acrescenta a associação.

O volume de negócios gerado pelas empresas de Paços de Ferreira "ascende a mais de 1.300 milhões de euros, sendo cerca de um terço destinado aos mercados externos", segundo os dados citados pela AEPF.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhoras dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório