Meteorologia

  • 22 AGOSTO 2019
Tempo
25º
MIN 21º MÁX 27º

Edição

Bancários avançam com manifestação e dizem-se "empurrados para greve"

Os sindicatos que representam os bancários vão promover uma manifestação em Lisboa, junto das sedes dos principais bancos, afirmando que estão a ser "empurrados para a greve", segundo um comunicado divulgado hoje.

Bancários avançam com manifestação e dizem-se "empurrados para greve"
Notícias ao Minuto

20:40 - 18/07/19 por Lusa

Economia Greve

A nota conjunta, assinada pelo Sindicato dos Bancários do Norte (SBN), Sindicato Nacional dos Quadros e Técnicos Bancários (SNQTB) e Sindicato Independente da Banca (SIB), diz que as instituições de crédito "desafiam e empurram os bancários para a greve e outras formas de protesto e intervenção".

No comunicado, os sindicatos referem que se mantêm "empenhados nas negociações de revisão do ACT [acordo coletivo de trabalho]", mas "veem-se obrigados a tornar público que as suas propostas para o início da reposição de direitos e regalias retiradas aos bancários têm deparado sistematicamente com a recusa pura e simples das instituições de crédito, o que os obriga a lançar mão de iniciativas que bem gostariam de evitar".

De acordo com as estruturas "entre 2010 (data da produção de efeitos das tabelas de salários e pensões em vigor) e 2018, os bancários (com exceção do BCP) apenas tiveram aumentos de 0,75%, em 2016, 2017 e 2018, ou seja, 2,25% no total, pelo que perderam 10,79%" de poder de compra face à inflação.

No caso do BCP, a recuperação foi zero, dado que "nem sequer esses aumentos tiveram", segundo o comunicado.

"Porém, as instituições de crédito, no ACT geral, decorrido todo este tempo de negociações, só admitem aumentos de 0,75% para 2019. E o BCP, até ao presente, 0% para 2018", de acordo com a nota.

Foram ainda recusadas propostas "quanto às promoções por antiguidade, atualizações salariais não absorvíveis por redução de complementos ou afins, reposição do prémio por antiguidade, apreciação especial para quem não foi promovido nos últimos cinco anos ou o alargamento do número e do âmbito das promoções obrigatórias", garantiram as estruturas sindicais.

Na mesma nota, os sindicatos revelam que "propuseram, sem sucesso, que fosse dada prioridade às tabelas salariais e cláusulas de expressão pecuniária, e exigem aumentos imediatos de 2,2% (descendo do 2,72% propostos antes) para vigorarem desde janeiro de 2019 (no caso do BCP, desde janeiro de 2018)", mas nada foi ainda concretizado.

Por isso, "as direções vão reunir de emergência os seus Conselhos Gerais, convocando-os para a mobilização e solicitando-lhes mandato para a declaração da greve e utilização dos fundos de greve".

As estruturas não divulgaram a data da manifestação em Lisboa, mas admitiram que o movimento se estenda a outras cidades.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhoras dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório