Meteorologia

  • 15 ABRIL 2021
Tempo
16º
MIN 15º MÁX 21º

Edição

Salários no público desceram seis vezes mais que no privado

As remunerações dos funcionários públicos caíram 6,7% no segundo trimestre deste ano, enquanto os salários no sector privado desceram apenas 1%, o que quer dizer que a redução salarial no sector público foi mais de seis vezes superior à registada no sector privado.

Salários no público desceram seis vezes mais que no privado

O Diário Económico (DE) escreve hoje que os salários no Estado caíram seis vezes mais do que no sector privado entre Abril e Julho, adiantando que, neste cenário, a redução salarial tantas vezes pedida a Portugal está a acontecer no País mais no sector público do que no privado.

O jornal cita dados que foram divulgados na sexta-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), e que revelaram que a austeridade afectou mais os trabalhadores do Estado. Mas o DE recorda, contudo, que a taxa de desemprego de quase 16% afecta exclusivamente os trabalhadores do sector privado.

De acordo com os dados do INE, "no segundo trimestre de 2012, as remunerações pagas registaram uma diminuição de 2,3% (variação de -0,8% no ano acabado no primeiro trimestre de 2012)". O instituto estatístico explicou que "esta evolução reflectiu sobretudo a diminuição das despesas com remunerações do sector das administrações públicas (taxa de variação de -6,7%) e do sector das sociedades não financeiras (taxa de variação de -1%)".

Assim sendo, o ritmo de quebra dos salários no sector público foi 6,7 vezes mais forte do que a contracção de salários nas empresas. Para esta evolução, foi determinante a suspensão do pagamento do subsídio de férias aos trabalhadores do sector público, que aconteceu em Junho.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório