Meteorologia

  • 18 JUNHO 2019
Tempo
19º
MIN 17º MÁX 21º

Edição

Fornecimento de energia penaliza grandes investimentos nos PALOP

A diretora da Associação Lusófona de Energias Renováveis (ALER) defendeu hoje, em Lisboa, que os países africanos lusófonos conseguiriam atrair "muitos investimentos industriais de grande dimensão" se assegurassem o acesso universal e o fornecimento fiável de energia.

Fornecimento de energia penaliza grandes investimentos nos PALOP
Notícias ao Minuto

15:57 - 12/06/19 por Lusa

Economia Associação

"A grande preocupação nos grandes investimentos industriais é haver ou não haver energia, a qualidade e a fiabilidade desse serviço. Haveria muitos investimentos de grande dimensão, nomeadamente industriais, se estes países conseguissem fornecer eletricidade fiável", disse Isabel Cancela de Abreu.

A diretora-executiva da ALER, que falava à agência Lusa à margem do 21º Fórum de Energia de África, sublinhou, por outro lado, a importância de haver energia para as "necessidade produtivas", num contexto em que o acesso universal à eletricidade também se mantém um desafio.

"Parte-se de um cenário de acesso à energia tão baixo como na Guiné-Bissau 13%, Moçambique 29% e Angola 35%. São estes os países em que o cenário é mais preocupante e que em conjunto somam 40 milhões de habitantes que não têm acesso a eletricidade", disse.

Por outro lado, apontou a comercialização abaixo de custo e com subsidiação da eletricidade como outra dificuldade, nomeadamente na promoção da sustentabilidade das empresas fornecedoras.

"O custo da eletricidade nestes países não é real. As empresas cobram um preço abaixo daquilo que lhes custa e, portanto, são todas deficitárias", adiantou.

Considerou, por isso, que os grandes investidores se deparam com a impossibilidade de conseguir trabalhar com essas empresas por causa das suas dívidas públicas "gigantescas".

Neste contexto, sustentou que é preciso criar condições para poder cobrar o preço real da energia, implementando tarifas sociais para quem não puder pagar.

Entre essas condições, destacou Isabel Cancela Abreu, está uma regulamentação "favorável a este tipo de projetos" porque as empresas "precisam de segurança jurídica para investir".

No setor das energias renováveis, a responsável da ALER apontou que os países têm vindo a estabelecer metas "cada vez mais ambiciosas e realistas", considerando que, em alguns casos como Cabo Verde, a geração renovável é a tecnologia mais competitiva em 54% dos casos para o fornecimento de energia.

"Não estamos a falar de 100% renovável, mas em alguns casos as renováveis são a solução mais competitiva, sobretudo nas regiões onde a rede ainda não chegou", disse.

De acordo com Isabel Cancela de Abreu, a implementação de "mini-redes de energias renováveis" pode beneficiar em especial as comunidades mais isoladas e tem sido "muito adotada" na Guiné-Bissau.

"A solução está aí, a solução técnica existe, tem é que haver um compromisso grande dos governos", considerou.

Para Isabel Cancela de Abreu, a atual crise climática torna irreversível a transição energética para as renováveis.

"Chegamos a um ponto de não retorno e o que temos de aproveitar é o caminho que os países mais desenvolvidos já fizeram. Há uns anos seria muito difícil África implementar energias renováveis, porque eram tecnologias muito caras, ainda a um nível pouco maduro e havia uma perceção de risco muito grande", disse.

"Hoje, as tecnologias estão muito desenvolvidas, já são baratas e há redes inteligentes que permitem gerir melhor. O que os países africanos têm de fazer é aproveitar este salto tecnológico [...]de forma mais eficiente e económica", acrescentou.

A ALER tem como missão divulgar as oportunidades de investimento nos países lusófonos com o objetivo de colocar estes países "no mapa" das energias renováveis.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhoras dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório