Meteorologia

  • 19 NOVEMBRO 2019
Tempo
13º
MIN 8º MÁX 13º

Edição

Horta Osório diz que a banca está "no bom caminho"

O presidente executivo do Lloyds Bank, António Horta Osório, considerou hoje que a banca portuguesa está a ir "no bom caminho", mas alertou que ainda há muito por fazer, sobretudo ao nível do crédito malparado.

Horta Osório diz que a banca está "no bom caminho"
Notícias ao Minuto

10:39 - 17/05/19 por Lusa

Economia Banca

"Os bancos portugueses estão a apresentar resultados positivos, mas não devemos ser complacentes porque ainda há muito para recuperar", disse o gestor, que falava hoje na conferência "Exportações e Investimento" da AICEP, que decorre na Nova School of Business and Economics, em Carcavelos, no concelho de Cascais.

Horta Osório começou na sua intervenção por reconhecer a melhoria dos rácios de solvabilidade da banca portuguesa ('core tier 1'), que são atualmente "positivos" e "em linha com as normas internacionais", referindo-se à importância da contribuição da recapitalização da Caixa Geral de Depósitos (CGD) para a estabilização, não só do banco como de todo o sistema, onde a CGD representa um peso de 25%.

O banqueiro alertou, no entanto, para os níveis e percentagens "preocupantes" atingidas no crédito malparado, de perto de 15%, e que têm vindo a descer de forma acelerada.

"Dez por cento de crédito malparado ainda é muito alto", disse.

"Os bancos estão na sua maioria com resultados positivos, mas ainda há muito a fazer e o crédito malparado pode melhorar", acrescentou.

Horta Osório falou ainda na necessidade de reduzir o nível de endividamento de Portugal, que dobrou o valor de 2007 e está agora nos 120% do Produto Interno Bruto (PIB), referindo que Portugal demonstra um problema de "falta de ambição".

"É um valor alto em termos absolutos e é um valor alto se compararmos com países como Itália, ou Espanha. A Alemanha é um exemplo não só europeu, mas mundial. É um país muito rico que vive dentro das suas possibilidades", disse.

"Segundo as projeções de crescimento para os próximos três anos, Portugal crescerá à volta dos 2% em linha com a Irlanda, Espanha e zona euro. Mas é manifestamente pouco. Deveríamos ter mais ambição para o país em termos de crescimento", disse.

Para o banqueiro, a Irlanda conseguiu criar o dobro da riqueza real em relação a Portugal e esta comparação mostra "a falta de ambição [de Portugal] e demonstra que é obviamente possível fazer mais e melhor", disse.

Horta Osório abordou ainda "um terceiro problema" para a economia portuguesa que é o demográfico e para o qual reiterou a necessidade de um "pacto suprapartidário" para as próximas décadas.

Para tentar responder ao desafio da demografia, o presidente executivo do Lloyds Bank tem vindo a sugerir três vias: aumento da taxa de natalidade, que leva tempo, atrair de volta os jovens que deixaram o país na última década e atrair estrangeiros com incentivos que não sejam apenas os fiscais.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhoras dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório