Meteorologia

  • 21 JUNHO 2019
Tempo
16º
MIN 15º MÁX 17º

Edição

"Resolver problemas dos trabalhadores não põe em causa sustentabilidade"

O secretário-geral da CGTP, Arménio Carlos, disse hoje que não se pode considerar que resolver os problemas dos trabalhadores da administração públicas põe em causa a sustentabilidade económica do país.

"Resolver problemas dos trabalhadores não põe em causa sustentabilidade"
Notícias ao Minuto

18:27 - 03/05/19 por Lusa

Economia CGTP

"Não se pode estar a dizer que a resposta aos problemas dos trabalhadores põe em causa a sustentabilidade económica do país quando todos sabemos que foram os trabalhadores e a população portuguesa que pagaram a fatura das irresponsabilidades da banca privada", considerou Arménio Carlos, falando aos jornalistas em Ponta Delgada.

O sindicalista assistiu na maior cidade açoriana, ao lado do líder da Fenprof, Mário Nogueira, à comunicação ao país do primeiro-ministro sobre o tempo de serviço dos professores e a posição do executivo sobre essa matéria e a sua eventual viabilização final global no parlamento.

"Não vale a pena tentar ludibriar, confundir, manipular ou desviar atenções. Sejamos sérios e rigorosos: o Governo se quiser reduzir a despesa pública pode fazê-lo", até porque, só este ano, o Orçamento do Estado "consagra 850 milhões de euros para o Fundo de Resolução nacional e 850 milhões de euros para o Fundo de Resolução Europeu", por exemplo, declarou Arménio Carlos.

E prosseguiu: "Com 1,7 milhões de euros o que poderíamos fazer neste país em termos de melhoria dos serviços públicos, resposta aos problemas na saúde, educação, segurança social, pensões, e já agora também nos salários da administração pública?".

O primeiro-ministro afirmou hoje que comunicou ao Presidente da República que o Governo se demite caso a contabilização total do tempo de serviço dos professores seja aprovada em votação final global.

"Ao Governo cumpre garantir a confiança dos portugueses nos compromissos que assumimos e a credibilidade externa do país. Nestas condições, entendi ser meu dever de lealdade institucional informar o Presidente da República [Marcelo Rebelo de Sousa] e o presidente da Assembleia da República [Ferro Rodrigues] que, a aprovação em votação final global desta iniciativa parlamentar forçará o Governo a apresentar a sua demissão", declarou.

Esta advertência foi feita por António Costa numa declaração ao país, depois de ter estado reunido cerca de 40 minutos com o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, na sequência da crise política aberta com a aprovação pelo parlamento, apenas com os votos contra do PS, da recuperação do tempo total de serviço dos professores no período em que houve congelamento de progressões.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhoras dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório