Meteorologia

  • 25 ABRIL 2019
Tempo
14º
MIN 13º MÁX 15º

Edição

Combustíveis: Sindicato acusa ANTRAM de prejudicar negociações

O sindicato que convocou a greve dos motoristas de matérias perigosas acusou hoje a Associação Nacional de Transportadores Rodoviários de Mercadorias (ANTRAM) de estar a prejudicar as negociações com o Governo e apelou para que haja "bom senso".

Combustíveis: Sindicato acusa ANTRAM de prejudicar negociações
Notícias ao Minuto

12:02 - 17/04/19 por Lusa

Economia SNMMP

"A ANTRAM é que está a bater o pé e diz que não negoceia enquanto estivermos em greve. Nós não desejamos este estado de calamidade. Por isso, sei que o Governo está a pressionar a ANTRAM para que se sente à mesa de negociações connosco", afirmou Pedro Henriques, do Sindicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP).

O advogado que representa o SNMP falava esta manhã aos jornalistas na Companhia Logística de Combustíveis (CLC), em Aveiras de Cima, concelho de Azambuja, onde se encontram concentrados cerca de duas dezenas de manifestantes, vigiados de perto por uma coluna de militares da GNR.

O representante do SNMMP reconheceu que a falta de combustíveis "está a fazer o país entrar num estado de calamidade", mas assegurou que o protesto irá continuar até que o caderno reivindicativo seja cumprido.

"O país está quase em calamidade e temos que chegar rapidamente a uma conclusão. Não podemos é, simplesmente, suspender tudo e dizer a estes trabalhadores, que estão aqui há 48 horas, que isto foi tudo uma brincadeira", argumentou.

Para Pedro Henriques a solução passa por haver "bom senso" por parte do Governo e da ANTRAM, confirmando que o sindicato vai cumprir com os serviços mínimos, garantindo, a partir das 12:00, o abastecimento de 40% dos postos de Lisboa e Porto.

Já esta manhã, em declarações à agência Lusa, Pedro Henriques tinha considerado "um erro" o facto de ter ficado de fora dos serviços mínimos o abastecimento dos transportes públicos, estimando que as empresas de transporte de passageiros de Lisboa e Porto acabem por esgotar os 40% de abastecimento previsto para a Grande Lisboa e o Grande Porto.

Os serviços mínimos decretados por causa da greve dos motoristas de matérias perigosas abrangem 40% das operações normais de abastecimento de combustíveis aos postos da Grande Lisboa e Grande Porto e o normal abastecimento de combustíveis aos hospitais, bases aéreas, bombeiros, portos e aeroportos.

De acordo com o despacho que declara a situação de alerta para o período compreendido entre o dia 16 de abril e o dia 21 de abril, os serviços mínimos abrangem igualmente 30% das operações no transporte de granel, brancos e gás embalado.

Está também abrangido o transporte de cargas necessárias nas refinarias e parques, na CLT e na CLC (Companhia Logística de Combustíveis), "nos casos em que a acumulação de 'stocks' de produtos refinados imponha o funcionamento das unidades em regimes abaixo dos respetivos mínimos técnicos", assim como o transporte "estritamente indispensável às restantes unidades e instalações dos sistemas industriais das áreas de Sines e de Matosinhos associados às refinarias da Petrogal".

Para garantir as operações abrangidas nestes serviços mínimos, o despacho declara a situação de alerta até às 23:59 do dia 21 de abril para a globalidade do território de Portugal continental.

A greve dos motoristas de matérias perigosas, que começou às 00:00 de segunda-feira, foi convocada pelo Sindicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas, por tempo indeterminado, para reivindicar o reconhecimento da categoria profissional específica.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhoras dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório