Meteorologia

  • 22 ABRIL 2019
Tempo
15º
MIN 13º MÁX 17º

Edição

"Verdadeiro teste" para a recuperação económica "vem depois"

A economista Teodora Cardoso disse hoje que o "verdadeiro teste" para a recuperação económica de Portugal virá no futuro, na forma como se mantém, e que essa é uma característica comum a crises anteriores.

"Verdadeiro teste" para a recuperação económica "vem depois"
Notícias ao Minuto

13:53 - 25/03/19 por Lusa

Economia Teodora Cardoso

"Uma coisa há em comum com as crises anteriores: o verdadeiro teste vem depois, e pela forma como nos mantemos a par", afirmou a antiga presidente do Conselho das Finanças Públicas (CFP), durante a conferência 'Portugal, reforma e crescimento na zona euro', que decorre hoje no Museu do Dinheiro, em Lisboa.

"Isto está relacionado, em parte, com os caminhos e meios que usamos para as recuperações. Sempre foram apoiados em políticas macroeconómicas e muito menos em políticas estruturais", considerou.

Teodora Cardoso assinalou que, no caso desta crise, Portugal sofreu "um ajustamento muito forte nas finanças públicas e algum ajustamento estrutural. Mas mesmo isto foi possível de ser revertido de algumas formas", o que levou a antiga responsável do CFP a concluir que esta tendência "ainda não foi corrigida".

"Ainda temos um longo caminho a percorrer, não em termos de políticas fiscais de curto prazo, mas em termos de alteração do modelo fiscal em si", afirmou.

Numa mesa redonda com o economista Ricardo Reis e com o chefe de missão do Fundo Monetário Internacional para Portugal, Alfredo Cuevas, o tema da produtividade da economia portuguesa também esteve em debate.

Para Teodora Cardoso, o destaque deve colocar-se "em medidas estruturais que aumentem a produtividade", "medidas demográficas" e de "gestão das finanças públicas".

A economista classifica a demografia portuguesa de "muito desfavorável", uma vez que "a população ativa está a diminuir".

Relativamente às finanças públicas, a antiga responsável do CFP apela à "melhoria da gestão no setor público", especialmente "em termos de ganhos de eficiência" que requerem "diferentes tipos de gestão e dados".

Já Ricardo Reis, professor na London School of Economics, defendeu que os ganhos na produtividade "vêm da abertura à concorrência internacional", através de "empresas concentradas em mercados globais", e apelidou a economia portuguesa de ainda "relativamente fechada".

O economista português esperava que o país tivesse ressurgido "mais forte" na cena económica internacional, mas relevou o "extremamente vencedor" mercado imobiliário e arrendamento, o "disparar das exportações" e a "alocação de capital para setores mais produtivos" como principais características da recuperação económica nacional.

Alfredo Cuevas, chefe de missão do FMI para Portugal, considerou que a recuperação económica portuguesa foi "sobretudo cíclica", mas salientou "algum interesse no investimento que não existia antes", o "crescimento no setor do turismo" e algum aumento "no grau de qualificações" dos trabalhadores.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhoras dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório