Meteorologia

  • 20 ABRIL 2019
Tempo
24º
MIN 23º MÁX 25º

Edição

Grupo DIA ganha mais de 8% em bolsa depois de pré-acordo

As ações da cadeia de supermercados espanhola DIA estavam hoje a subir mais de 8% depois de chegar a um pré-acordo com os seus credores para estender a maturidade da sua dívida até 31 de março de 2023.

Grupo DIA ganha mais de 8% em bolsa depois de pré-acordo
Notícias ao Minuto

12:49 - 19/03/19 por Lusa

Economia Dívida

O valor de cada ação no mercado contínuo da bolsa de valores estava esta manhã em cerca de 0,610 euros, com um pico máximo de 0,632 euros, segundo a agência EFE.

O grupo de distribuição alimentar, que em Portugal tem a marca Minipreço, comunicou à Comissão Nacional do Mercado de Valores espanhola que chegou a acordo com a banca sobre a extensão do crédito sindicado de 912 milhões, uma medida que está condicionada à eventual aprovação na quarta-feira, em assembleia-geral, do aumento de capital de 600 milhões de euros proposto pelo Conselho de Administração.

O pré-acordo com os seus credores também inclui a obrigatoriedade de transferir um número de estabelecimentos comerciais que representam 60% do seu EBITDA (resultado antes de impostos, juros, depreciações e amortizações) restrito para uma filial operativa com participação indireta de 100% do DIA.

O compromisso da cadeia de supermercados com os credores prevê que o rácio financeiro existente será calculado a partir de dezembro de 2020.

O grupo DIA terá ainda de obter um EBITDA igual ou superior a 174 milhões de euros em cada um dos períodos de 12 meses que acabam em 31 de dezembro de 2019 e 30 de junho de 2020.

A assembleia-geral do grupo DIA tem na quarta-feira, em Madrid, uma reunião decisiva sobre a estratégia que deve assumir para salvar a empresa da situação de falência técnica que se encontra desde dezembro passado.

Os donos do grupo de distribuição alimentar irão pronunciar-se sobre se optam por uma proposta do Conselho de Administração ou por um projeto do multimilionário russo Mikhail Fridman, que emitiu uma Oferta Pública de Aquisição (OPA) sobre a empresa.

Os atuais gestores do DIA vão submeter a votação uma "operação-acordeão", que se traduz numa redução de capital inicial para, posteriormente, proceder ao aumento de capital de 600 milhões de euros.

Por seu lado, Mikhail Fridman - que, através da empresa LetterOne, detém 29% da empresa - propõe uma recapitalização de 500 milhões de euros, condicionada ao êxito da OPA e a um acordo com a banca credora para alargar os prazos de vencimento da dívida do grupo.

As duas partes têm trocado acusações nas últimas semanas, numa tentativa para convencer a maioria dos acionistas que são chamados a votar sobre a estratégia futura do grupo.

No conflito também participam vários grupos de acionistas minoritários, com participações de menos de 6%, entre os quais está o investidor português Luís Amaral, que, com uma posição de 2%, já manifestou publicamente o apoio à atual administração do DIA.

As dificuldades do grupo começaram em meados de outubro do ano passado, quando este reduziu as previsões de crescimento para 2018 e fez "ajustes" nas suas contas de 2017, devido à deteção de "irregularidades" não corrigidas, que foram muito penalizadas pelo mercado e resultaram na queda da sua cotação em bolsa.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhoras dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório