Meteorologia

  • 23 MAIO 2019
Tempo
19º
MIN 17º MÁX 22º

Edição

Novo Banco: "Governo foi pouco exato, é um processo obscuro"

O co-fundador do Bloco de Esquerda analisou, esta sexta-feira, as intervenções do primeiro-ministro e do ministro das Finanças a propósito da nova injeção de capital no Novo Banco e de tudo o que não é conhecido acerca do processo de resolução do então Banco Espírito Santo.

Novo Banco: "Governo foi pouco exato, é um processo obscuro"
Notícias ao Minuto

23:36 - 08/03/19 por Patrícia Martins Carvalho 

Economia Francisco Louçã

Francisco Louçã considera que é normal a “pressão” exercida pelo primeiro-ministro ao pedir uma nova comissão de inquérito à atuação do Banco de Portugal face ao risco que representava o Banco Espírito Santo antes da sua resolução.

Aliás, o bloquista sublinha a importância de “reconhecer se o Banco de Portugal teve as normas corretas de avaliação de um dos principais bancos portugueses”, pois “são cometidos erros, aprende-se com os erros e deve perceber-se o porquê de acontecerem”.

No entanto, o que é “problemático na resposta do Governo” é o conjunto de pressupostos apresentados.

“Que o Governo diga que a resolução foi mal feita não há dúvida, mas eu acrescentaria que a história está mal contada desde o princípio”, aponta na SIC Notícias, frisando que “não existe” a possibilidade de os “auditores terem feito o seu trabalho e há um ano e dois anos terem registado todos os prejuízos potenciais e registado como imparidades, e que no último ano os créditos que eram bons passaram a ser maus para prejuízos gigantescos”.

“O que muito provavelmente está a acontecer é que ao longo destes anos há uma transferência de valor por via de venda barata de créditos razoavelmente valiosos que podem ser recuperados com o tempo e isso pode ser um negócio de grande dimensão”, algo de que, acrescentou Francisco Louçã, é “preciso proteger-nos”.

E nesta senda, o economista diz que o “Governo não tem, com certeza, razão quando diz que não pagamos”.

“Pagamos de várias maneiras”, garante, explicando que os “outros bancos estão a pagar e um deles é a CGD que, somos todos nós”, tal como também estão a pagar as restantes entidades bancárias.

“O que o Governo fez foi passar de três para 30 anos esse processo. Os bancos vão reabsorver isto ao longo do tempo nos impostos ou noutras formas que vão negociar entretanto e Estado agora perde”, afiançou, rematando que o “Governo foi pouco exato” e que o “processo é obscuro”.

“Gostaria que houvesse uma vigilância detalhada que desse confiança ao público”, assumiu.

Acompanhe todas as notícias sobre o Novo Banco

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhoras dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório