Meteorologia

  • 18 ABRIL 2019
Tempo
17º
MIN 16º MÁX 18º

Edição

Wall Street fecha em baixa com nervosismo sobre acordo EUA-China

A bolsa nova-iorquina encerrou hoje em baixa, demonstrando algum nervosismo perante a escassez de informação relativa às negociações comerciais sino-norte-americanas e perante um indicador que alimentou preocupações com a economia norte-americana.

Wall Street fecha em baixa com nervosismo sobre acordo EUA-China
Notícias ao Minuto

23:35 - 04/03/19 por Lusa

Economia mercados

Os resultados definitivos da sessão indicam que o índice seletivo Dow Jones Industrial Average cedeu 0,79%, para os 25.819,65 pontos.

As perdas dos outros índices emblemáticos foram mais fracas, com o tecnológico Nasdaq a perder 0,23%, para as 7.577,57 unidades, e o alargado S&P500 recuou 0,39%, para as 2.792,81.

Contudo, a praça nova-iorquina tinha começado a sessão em alta, saudando as informações da comunicação social, que sugeriam a iminência de um acordo entre Washington e Pequim.

Segundo o Wall Street Journal, as duas partes estavam dispostas a fazer concessões, depois de meses de braço-de-ferro e aplicação de sanções recíprocas. Admitiu-se inclusive a realização de uma reunião entre o Presidente norte-americano, Donald Trump, e o seu homólogo chinês, Xi Jinping, no final de março.

"Mas agora que parece que nos aproximamos do fim, os investidores começam a concentrar-se nos detalhes e a interrogar-se sobre o que ainda poderá faltar", avançou Christopher Low, da FTN Financial.

Também é possível que "os investidores considerem que um eventual acordo com a China já está integrado nos preços das ações", estimou Jack Ablin, da Cresset Wealth Advisors, lembrando que os índices tiveram uma forte subida desde o início do ano.

Os participantes no mercado também foram abalados pela publicação de um indicador dececionante sobre o investimento na construção, que recuou 0,6% em dezembro.

Isto não foi verdadeiramente uma surpresa, segundo Low. "Já se sabia, desde que foram divulgados os números do produto interno bruto, que o imobiliário não esteve em forma no quarto trimestre" e que "o 'shutdown' [o encerramento parcial de serviços e agências do governo federal] tinha afetado várias estatísticas", lembrou.

Mas estes números sobre a construção "vêm acrescentar-se a uma série de estatísticas norte-americanas e estrangeiras que refletem, no seu conjunto, uma diminuição [da velocidade de crescimento] da economia", comentou, ao mencionar a publicação de indicadores dececionantes sobre a atividade industrial na Coreia do Sul e em Taiwan, na segunda-feira, e na China, na passada quinta-feira.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhoras dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório