Meteorologia

  • 23 ABRIL 2019
Tempo
11º
MIN 10º MÁX 12º

Edição

Moody's melhora Perspetiva de Evolução de Moçambique para Estável

A agência de notação financeira Moody's melhorou hoje a Perspetiva de Evolução da economia de Moçambique, mantendo, no entanto, o país em incumprimento financeiro ('default') no seguimento da crise da dívida oculta, descoberta em 2016.

Moody's melhora Perspetiva de Evolução de Moçambique para Estável
Notícias ao Minuto

12:15 - 16/02/19 por Lusa

Economia de Negativa

"A decisão reflete principalmente a expectativa da Moody's de que a reestruturação dos títulos de dívida pública, atualmente em negociações, vá impor perdas financeiras aos credores, o que é consistente com um 'rating' de Caa3", lê-se na nota que acompanha a divulgação da decisão.

"A Perspetiva de Evolução ['Outlook', no original em inglês] reflete a avaliação da Moody's de que os riscos sobre as eventuais perdas dos credores que detêm títulos de dívida pública atualmente em 'default' são equilibrados, com as perdas de 20 a 35% consistentes com um 'rating' de Caa3", lê-se ainda no texto.

Para a Moody's, "mesmo que as negociações não cheguem a bom termo, as derradeiras perdas ficariam provavelmente entre os 20 e os 35%".

Por outro lado, se os investidores rejeitarem a proposta preliminar que foi anunciada no princípio de novembro, "é improvável que sofram perdas significativamente maiores do que os 35% numa negociação subsequente".

A Moody's afirma que, "ao mesmo tempo, o derradeiro objetivo de Moçambique é conseguir um programa de financiamento do Fundo Monetário internacional, o que é um incentivo a que atinja uma redução significativa no peso da dívida, sugerindo que, em última análise, as perdas [para os credores] de menos de 20% são improváveis".

Uma das razões da incerteza é a investigação judicial que decorre sobre as dívidas ocultas, que levou à detenção de vários alegados intervenientes, entre os quais o antigo ministro das Finanças Manuel Chang e três banqueiros do Credit Suisse envolvidos nos empréstimos, para além do empresário libanês gestor da Privinvest.

Na quinta-feira, as autoridades moçambicanas detiveram cinco arguidos, incluindo António do Rosário, administrador-delegado das empresas públicas que deviam ter recebido 2,2 mil milhões de dólares.

Para além de Rosário, também Gregório Leão, ex-diretor do SISE, Bruno Tandade, operativo daquele serviço de informações, Inês Moiane, secretária pessoal de Armando Guebuza - Presidente da República quando o Estado avalizou secretamente os empréstimos -, e Teófilo Nhangumele, alegado promotor junto de Moçambique da ideia de criar as empresas e contratar o financiamento, foram detidos.

Na sexta-feira, o tribunal de Joanesburgo negou o pedido de fiança do antigo ministro das Finanças Manuel Chango, que continuará, assim, em prisão preventiva na África do Sul.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhoras dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório