Meteorologia

  • 20 ABRIL 2019
Tempo
23º
MIN 22º MÁX 24º

Edição

Rendas na energia estão ligadas a "compadrio" entre Estado e privados

O antigo ministro da Economia Álvaro Santos Pereira defendeu hoje, no parlamento, que "as rendas excessivas no setor da energia estão, no mínimo, intimamente ligadas a ações de compadrio entre o Estado e os privados".

Rendas na energia estão ligadas a "compadrio" entre Estado e privados
Notícias ao Minuto

21:25 - 07/02/19 por Lusa

Economia Santos Pereira

Na intervenção inicial na comissão parlamentar de inquérito ao pagamento de rendas excessivas aos produtores de eletricidade, o antigo governante afirmou que "as rendas excessivas no setor da energia estão, no mínimo, intimamente ligadas a ações de compadrio entre o Estado e os privados, ligações perigosas entre o Estado e os interesses privados, em que uns beneficiaram de lucros milionários, enquanto a fatura era paga pelas famílias".

"Existe bastante evidência que se Portugal chegou onde chegou - não só na energia, mas noutros setores - a uma situação de pré-bancarrota ou mesmo bancarrota, foi não só por políticas irresponsáveis, mas também porque houve práticas de corrupção e compadrio entre o privado e o Estado", respondeu Álvaro Santos Pereira.

Instado a identificar as situações de compadrio existentes, na segunda ronda de perguntas, o ex-ministro disse preferir "não comentar".

"Para mim é evidente que existiam casos de compadrio nesta e em outras áreas. Acho que este tipo de coisas deve ser feito na Justiça. Se sei de um caso, eu denuncio. Não vou fazê-lo no parlamento e, nestas e em outras áreas, passámos a informação", disse, perante a insistência do deputado do BE Jorge Costa.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhoras dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório