Meteorologia

  • 24 MAIO 2019
Tempo
16º
MIN 15º MÁX 17º

Edição

Quatro autoestradas entre as 25 operações com maiores perdas para a CGD

Quatro autoestradas estão entre as 25 operações com maiores perdas para a Caixa Geral de Depósitos (CGD), atingindo as perdas por imparidade 176 milhões de euros no final de 2015, segundo a auditoria ao banco público hoje divulgada.

Quatro autoestradas entre as 25 operações com maiores perdas para a CGD
Notícias ao Minuto

19:42 - 01/02/19 por Lusa

Economia Auditoria

"Das 25 operações com maiores perdas, quatro operações referem-se a 'project finance' para a construção de autoestradas, com data de concessão inicial em 2004 e em 2008", lê-se no relatório da auditoria elaborado pela consultora EY, disponibilizado hoje no 'site' do parlamento.

Em 31 de dezembro de 2015, "a exposição ascendia a 256 milhões de euros com alocação de perdas por imparidade de 176 milhões de euros", lê-se no documento, que precisa que em dois dos casos "a exposição inicial assumida pela CGD foi através de concessão de garantias bancárias".

O 'project finance' é uma modalidade de estruturação financeira de projetos, onde o fluxo de caixa gerado pelo projeto é a principal fonte de pagamento do serviço e da amortização do capital de terceiros.

De acordo com o documento, três operações tiveram parecer de risco favorável elaborado pela Direção Global de Risco (DGR) e uma operação teve parecer desfavorável por parte da referida direção.

A EY refere que "não foi encontrada evidência da justificação para a aprovação em divergência com o parecer de risco", ressalvando, contudo, que "as operações foram objeto de estudo de viabilidade, comprovando, face aos pressupostos, a perspetiva de geração de 'cash-flows' suficientes para fazer face ao serviço da dívida".

O presidente executivo da CGD, Paulo Macedo, entregou hoje no parlamento a auditoria elaborada pela EY à gestão do banco público no período 2000-2015.

A administração da CGD recusou, por duas vezes, a entrega do relatório ao parlamento, num primeiro momento invocando sigilo bancário e, numa segunda vez, invocando o segredo de justiça.

Em 09 de janeiro, a comissão parlamentar anunciou que iria pedir à PGR o acesso ao relatório da auditoria feita à gestão da CGD entre 2000 e 2015, depois de o banco público ter recusado pela segunda vez o acesso.

Esta semana, o Ministério Público informou "nada ter a opor" que a CGD disponibilizasse ao parlamento a auditoria.

CDS-PP, PSD, PS e BE chegaram a acordo para um texto comum sobre o objeto da futura comissão parlamentar de inquérito à CGD, partindo de uma proposta inicial dos democratas-cristãos.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhoras dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório