Meteorologia

  • 15 DEZEMBRO 2019
Tempo
14º
MIN 12º MÁX 17º

Edição

Plano Nacional de Investimentos em final de mandato "dá vontade de rir"

O vice-presidente do PSD Nuno Morais Sarmento disse hoje que o anúncio do Governo, em final de mandato, do Plano Nacional de Investimentos (PNI) 2030 dá "vontade de rir" e é uma confissão de falhanço e incompetência.

Plano Nacional de Investimentos em final de mandato "dá vontade de rir"
Notícias ao Minuto

16:41 - 27/01/19 por Lusa

Economia Anúncio

"Dá vontade de rir. No final de um mandato, os governos normalmente fazem uma de duas coisas: fazem balanços ou, quando são muito politiqueiros, fazem inaugurações, o que não está errado, a inauguração é a conclusão de um trabalho que se realiza. O que eu nunca tinha visto é governos que chegam ao fim do seu mandato e fazem anúncios", disse à Lusa Nuno Morais Sarmento.

Em declarações à margem da iniciativa "Desafios sociais em Portugal e na Europa" promovida pela concelhia do PSD local, o vice-presidente social-democrata frisou que o anúncio do PNI 2030 "é a confissão" do incumprimento do plano que existia anteriormente e que foi delineado a 10 anos.

"É a confissão do seu incumprimento, do seu falhanço, da sua incompetência no cumprimento do plano estratégico de infraestruturas que existia, estava em vigor. Foi desenhado a 10 anos e o resultado que este Governo tem para apresentar é o cumprimento de 20% desse plano, ficando 80% por cumprir", assinalou Morais Sarmento.

"A confiança que podemos fazer num governo que cumpriu 20% do último plano é a de que no próximo não consiga resultado melhor do que esse", acrescentou.

Sobre o Serviço Nacional de Saúde (SNS) e as críticas repetidas de falta de investimento público, Morais Sarmento avisou que não é possível sustentar o SNS "como não é possível sustentar coisa nenhuma sem uma economia a funcionar".

O dirigente nacional do PSD acusou o Governo de se ter esquecido da economia privada: "achou que o milagre da multiplicação dos pães, o simples aumento do consumo, resolveria os problemas e é evidente que não resolve".

"O aumento do consumo é um objetivo, não é uma ferramenta", avisou.

Para Morais Sarmento, a ausência de apoio às empresas e às exportações, ausência de investimento público e apoio ao investimento privado, resultam numa evidência: "É evidente que têm como condições a imediata dificuldade do Estado no cumprimento das suas funções essenciais e uma delas é garantir saúde aos portugueses".

Nuno Morais Sarmento disse ainda que o Serviço Nacional de Saúde foi construído ao longo de 40 anos de democracia por dois partidos "e apenas por dois partidos" (PS e PSD), argumentando que o PS "agora está refém do Bloco de Esquerda e do PCP", partidos que "não querem" o SNS.

"O Bloco de Esquerda quere-o como ferramenta e arma de arremesso e combate político até à revolução final e o PC quer o Serviço Nacional de Saúde mas sem setor cooperativo, sem setor social, sem setor privado, sem qualquer complementaridade ou seja, é, como em tudo, apenas e só o Estado. Esse não é o nosso Serviço Nacional de saúde", considerou.

"O Serviço Nacional de Saúde que temos em Portugal é defendido pelo PSD e devia ser defendido pelo PS. Mas por força das amarras com que está não é defendido pelo PS", frisou Morais Sarmento.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhoras dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório