Meteorologia

  • 14 DEZEMBRO 2018
Tempo
14º
MIN 14º MÁX 15º

Edição

Reestruturação da SATA "deve passar pelo investimento público"

O PCP reiterou hoje ser contra a privatização da SATA, processo entretanto interrompido, e sustentou que a reestruturação da empresa "deve passar pelo investimento público".

Reestruturação da SATA "deve passar pelo investimento público"
Notícias ao Minuto

15:45 - 06/12/18 por Lusa

Economia PCP

"O processo de reestruturação da empresa deve passar pelo investimento público, seja da região em parceria com o Estado, com a Madeira, ou até mesmo num investimento tripartido entre as duas regiões autónomas e o Estado português", sustentou o coordenador regional do PCP nos Açores, Vítor Silva.

A nota dos comunistas enviada às redações surge no dia seguinte à revelação do relatório da comissão de acompanhamento do processo de privatização parcial da Azores Airlines, o ramo da SATA para os voos de e para fora dos Açores.

No relatório, divulgado pelo Governo dos Açores, é referido que competia à SATA "qualificar a proposta" da Icelandair, única qualificada para a segunda fase do processo, "como vinculativa ou não", mas na ótica da comissão a proposta "não preenchia os requisitos do caderno de encargos".

Para o PCP, "não basta nomear comissões de acompanhamento", é preciso "humildade" no "ouvir das sugestões, recomendações e preocupações das referidas comissões".

"Valorizamos o trabalho desta comissão. O grande responsável pela situação da SATA têm sido os sucessivos governos regionais, pelas falhas sistemáticas que têm cometido, e que este processo é mais um exemplo claro", concretizou Vítor Silva.

A comissão de acompanhamento do processo foi presidida pelo advogado Luís Paulo Elias Pereira e integrou o economista António Gabriel Fraga Martins Maio e o professor universitário da área da gestão de empresas João Carlos Aguiar Teixeira.

Os três, é dito no relatório, apresentaram a sua visão da não conformidade com o caderno de encargos ao vice-presidente do executivo açoriano, Sérgio Ávila, e à secretária com a tutela dos Transportes, Ana Cunha, tendo sido indicado que "a decisão de qualificação da proposta como vinculativa dependia de um parecer jurídico entretanto solicitado" pela SATA.

No começo de novembro, o concurso para a privatização de 49% da Azores Airlines foi anulado após a divulgação de documentos que causaram um "sério dano ao grupo SATA e aos Açores", anunciou então o Governo dos Açores.

Em nota de imprensa, o Governo dos Açores dizia na ocasião que "decidiu dar orientações ao conselho de administração do grupo SATA para anular o presente concurso público de privatização de 49% do capital social da Azores Airlines e preparar o lançamento de um novo concurso com o mesmo objetivo".

Em causa estão notícias que citavam documentos privados da comissão de inquérito do parlamento açoriano ao setor empresarial público, indicando, por exemplo, que não havia uma proposta formal apresentada pelos islandeses da Icelandair, única entidade qualificada para a segunda fase da alienação, antes o intuito de abrir um período de negociações com a SATA.

O presidente do Governo dos Açores, Vasco Cordeiro, mostrou-se à época dececionado com a divulgação de informação "confidencial" em torno do processo de alienação de 49% da Azores Airlines, frisando que este "é um caso de polícia".

O processo público de alienação de 49% da Azores Airlines procurava para a empresa um "parceiro estratégico" que garantisse "robustez" à transportadora aérea, havia indicado o chefe do executivo açoriano no começo do processo.

De acordo com o caderno de encargos da alienação de capital da operadora açoriana, o futuro acionista da Azores Airlines - num processo que aguarda agora um recomeço - teria que "respeitar obrigatoriamente" a manutenção do plano de renovação da frota iniciado com o A321 NEO.

Teria ainda de promover o "cumprimento da operação aérea regular mínima", sendo que esta contempla as ligações entre o continente e os Açores, nomeadamente as rotas liberalizadas entre Ponta Delgada e Lisboa, Ponta Delgada e Porto, Terceira e Lisboa, e Terceira e Porto.

O futuro acionista teria também de assegurar as ligações de obrigação de serviço público entre Lisboa e Horta, Lisboa e Pico, Lisboa e Santa Maria e Ponta Delgada e Funchal, bem como a ligação de Ponta Delgada com Frankfurt, a par das rotas a partir da Terceira e Ponta Delgada com Boston e Oakland, nos Estados Unidos, e Toronto, no Canadá.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhoras dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório