Meteorologia

  • 16 DEZEMBRO 2018
Tempo
14º
MIN 14º MÁX 15º

Edição

Aspirações dos portugueses "excedem" capacidade da economia

O governador do Banco de Portugal afirmou no domingo que as aspirações de bem-estar e equidade dos portugueses excedem a capacidade de produção da economia, defendendo que só com mais crescimento se pode evitar viver com "aspirações limitadas".

Aspirações dos portugueses "excedem" capacidade da economia
Notícias ao Minuto

07:08 - 26/11/18 por Lusa

Economia Banco de Portugal

claro para todos que as aspirações de bem-estar individual e de equidade coletiva da sociedade portuguesa excedem hoje a capacidade de produção da economia. Nós temos aspirações para as quais não temos capacidade de produção disponível e tal desalinhamento só pode ser colmatado com mais e melhor crescimento económico, caso contrário viveremos sempre com aspirações limitadas pela nossa própria incapacidade de gerar o rendimento que as permite satisfazer", defendeu Carlos Costa.

Segundo aquele responsável, sabe-se hoje que o que separa a economia portuguesa do pelotão da frente das economias avançadas é a produtividade de cada hora trabalhada e não o número de horas que cada pessoa trabalha em Portugal, assim como, a qualificação dos recursos humanos, incluindo a qualificação de gestores.

De acordo com Carlos Costa, que falava no jantar de comemoração do 30.º aniversário da Porto Business School, no Porto, há estudos que demonstram que cerca de 30% das diferenças das empresas dos diferentes países são explicadas pelas variações na qualidade, robustez e eficiência dos modelos de gestão.

Apesar do número de recursos humanos com competências superiores ter aumentado, segundo o governador do Banco de Portugal, "permanecem, contudo, hiatos significativos em relação às médias europeias, pelo que é necessário continuar a melhorar a educação formal dos trabalhadores, em particular os trabalhadores mais idosos que têm tipicamente menos qualificações".

"Se isso não acontecer, teremos uma desclassificação progressiva deste tipo de trabalhadores, com prejuízo para os próprios e com prejuízo para a economia no seu todo, e com sobrecarga, naturalmente, do estado social que os tem que incluir sob pena de criar uma sociedade menos coesa", explicou.

Ainda assim, a promoção da qualificação dos recursos humanos não pode resumir-se a um aumento do número de anos de escolaridade da população, defendeu, já que, sublinha "se as competências acumuladas não se adequarem ao que o mercado procura, gerar-se-á descontentamento social, desperdício de recursos e prejuízo para as finanças públicas".

"O que estamos a gerar, fundamentalmente, é uma situação de insatisfação que irá desembocar numa pressão sobre o orçamento, ou sobre a sociedade e, naturalmente, numa saída de trabalhadores para outras economias, acrescentou.

Para Carlos Costa, o problema da economia portuguesa "é que está assente em duas pernas, uma transacionável, outra não transacionável", e tendencialmente a do não transacionável tende a tornar-se mais longa, afirmou.

A aposta no setor transacionável é, por isso, sustentou, uma condição indispensável para o crescimento sustentado da atividade económica do nosso país e uma condição indispensável para garantir um desenvolvimento com crescimento económico continuado, bem como a criação de emprego.

O governador do Banco de Portugal explicou ainda que a grande diferença do modelo de ajustamento que Portugal adotou, por exemplo, em relação à Grécia, resulta do comportamento das exportações, que evitou "um ajustamento mais doloroso" e um "crescimento mais demorado".

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhoras dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório