Meteorologia

  • 19 ABRIL 2019
Tempo
12º
MIN 11º MÁX 13º

Edição

Wall Street fecha em forte baixa, analista fala em naufrágio

A bolsa nova-iorquina encerrou hoje em forte baixa, numa sessão marcada por significativas quedas dos valores tecnológicos, depois de uma nova desvalorização acentuada da Apple e da sociedade de semicondutores Nvidia.

Wall Street fecha em forte baixa, analista fala em naufrágio
Notícias ao Minuto

23:31 - 19/11/18 por Lusa

Economia Bolsa

Os resultados definitivos da sessão indicam que o Dow Jones Industrial Average recuou 1,56%, para os 25.017,44 pontos.

Mas esta descida do Dow foi a mais baixa de entre os três índices mais emblemáticos de Wall Street.

Com efeito, o S&P500 perdeu 1,66%, para as 2.690,73 unidades, o que anulou todos os ganhos conseguidos desde novembro, e o Nasdaq apresentou a queda mais acentuada, ao recuar 3,03%, para as 7.028,48 unidades.

"Tratou-se, principalmente, de um naufrágio dos valores tecnológicos", afirmou Peter Cardillo, da Spartan Capital.

Membro eminente da praça, a Apple continuou hoje a sua desvalorização, perdendo 3,96%, depois de um artigo do Wall Street Journal ter explicado que o fabricante do iPhone tinha reduzido as encomendas para a produção dos seus últimos modelos de smartphones apresentados este ano.

O receio de um fim de ano pantanoso, que existe desde há algumas semanas, fez cair a cotação da Apple em mais de 20%, desde que registou um máximo histórico em 03 de outubro.

O presidente e diretor-geral da Apple, Tim Cook, também considerou inevitável uma regulamentação para enquadrar o setor da alta tecnologia e das redes sociais, para proteger a informação dos utilizadores, em entrevista divulgada no domingo.

A inquietação ligada à Apple afetou o setor dos semicondutores. Mas este foi afetado, sobretudo, pela divulgação dos resultados financeiros de um dos seus principais membros, Nvidia, no final da semana passada.

A sua cotação recuou hoje 12%, depois de já ter caído 18,7% na sexta-feira.

O conjunto dos valores tecnológicos sofreu com todas estas inquietações, o que é ilustrado pelas perdas da Netflix, que recuou 5,45%, da Alphabet, (a casa-mãe da Google), que desvalorizou 3,82%, da Amazon, que perdeu 5,09%, e da Facebook, que caiu 5,72%, o que colocou a sua cotação nos 131,55 dólares, o valor mais baixo desde fevereiro de 2017.

"Parece que está a haver uma reavaliação do preço bolsa destas empresas de forte crescimento", sintetizou Sam Stovall, da CFRA.

Os investidores também foram afetados pela contração de um índice de confiança dos construtores norte-americanos de novembro, em contexto de subida das taxas de juro do banco central dos Estados Unidos da América.

"Para ser direto, o mercado imobiliário dos EUA está em vias de estagnar, mesmo de recuar", reagiu Cardillo.

As subidas de taxas de juro da Reserva Federal encarecem os custos dos empréstimos que os bancos concedem às famílias e às empresas para estas financiarem os seus investimentos, designadamente no imobiliário.

"Estamos um pouco mais certos de subir as taxas, mas esta subida respeita a uma economia muito forte", declarou precisamente hoje, a este propósito, o número dois do comité de política monetária da Reserva Federal, John Williams.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhoras dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório