Meteorologia

  • 17 NOVEMBRO 2018
Tempo
12º
MIN 12º MÁX 12º

Edição

Reação de Costa no Twitter foi à Trump? "Não, foi muito serena", responde

Costa reforçou, esta sexta-feira, que o Governo vai cumprir as previsões.

Reação de Costa no Twitter foi à Trump? "Não, foi muito serena", responde
Notícias ao Minuto

13:11 - 09/11/18 por Beatriz Vasconcelos com Lusa 

Economia Declarações

O primeiro-ministro português, António Costa, justificou que foi uma publicação "serena" a que fez no Twitter, esta sexta-feira, para comparar as previsões que Bruxelas tem apresentado e os números que Portugal tem mostrado

Questionado pelos jornalistas, no Bombarral, sobre a possibilidade de ter sido uma "reação a quente, à semelhança de Trump", Costa adiantou: "Não, foi muito serena", disse, em declarações transmitidas pela RTP3. 

"Quem tem um modelo de previsões que não está ajustado, sistematicamente produz resultados não ajustados à realidade", respondeu António Costa, em declarações aos jornalistas, quando questionado sobre as estimativas da Comissão Europeia, que divergem das do Governo, após uma visita ao Aproveitamento Hidroagrícola das Baixas de Óbidos e Amoreira, no Bombarral.

Apesar de garantir não estar "numa competição com a Comissão", o chefe do Governo português lembrou que Bruxelas falhou sempre as previsões relativamente ao crescimento, ao défice e ao emprego.

"Previram sempre menos crescimento do que aquilo que crescemos, menos emprego do que crescemos, mais défice do que aquilo que tivemos. O prazer particular que temos é demonstrar sempre que as nossas previsões estão certas, porque queremos continuar a crescer mais, a ter cada vez menos desemprego e ter cada vez um défice mais reduzido", acentuou.

Em causa está um 'tweet' do primeiro-ministro em que compara as previsões da Comissão Europeia com os resultados económicos alcançados em 2016 e 2017 em termos de Produto Interno Bruto (PIB), défice orçamental e desemprego para mostrar que Bruxelas tem errado nas suas estimativas.De acordo com os dados do quadro que António Costa divulgou esta manhã na sua conta no Twitter, em 2016, em termos o PIB, as previsões da Comissão divulgadas no início de 2015 apontavam para um crescimento de 1,7% e os números reais foram mais positivos, tendo-se registado um crescimento de 1,9%, e o mesmo se verificou em 2017 (1,8% de previsão e 2,8% de crescimento realmente alcançado).

Quanto aos dados do desemprego, as previsões de Bruxelas também ficaram aquém. A taxa de desemprego foi em 2016 de 11,1% enquanto as previsões eram de 11,7%. Em 2017 a previsão de desemprego foi de 10,8% e o número real foi de 8,9%.

O mesmo sucedeu quanto aos valores do défice orçamental: em 2016 a previsão da Comissão Europeia apontavam para 2,9% e na realidade o número ficou em 2%.

Quanto aos anos de 2018 e 2019, o quadro apresentado pelo primeiro-ministro compara as previsões da Comissão Europeia com as do Ministério das Finanças, não sendo ainda possível fazer prova de quais irão ficar mais próximas da realidade.

A informação do chefe do executivo português surge um dia depois de a Comissão Europeia estimar um abrandamento do ritmo de crescimento da economia portuguesa, para 2,2% este ano e 1,8% no próximo, abaixo das previsões do Governo, cujas estimativas são respetivamente de 2,3% e 2,2%.

[Notícia atualizada com mais informação às 15h13]

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhoras dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório