Meteorologia

  • 16 DEZEMBRO 2018
Tempo
15º
MIN 15º MÁX 16º

Edição

OE2019: Governo diz que "maior erro é ter sempre novidades fiscais"

O secretário de Estado dos Assuntos Fiscais argumentou hoje que "o maior erro" de um executivo é "ter sempre novidades" em termos de impostos, pelo que este vai, no Orçamento do Estado para 2019 (OE2019), "continuar o caminho".

OE2019: Governo diz que "maior erro é ter sempre novidades fiscais"
Notícias ao Minuto

13:51 - 02/11/18 por Lusa

Economia Mendonça Mendes

"O maior erro que podemos ter é estar sempre a dar novidades fiscais", afirmou António Mendonça Mendes, que falava na Conferência Anual da Ordem dos Economistas, em Lisboa.

O governante observou que, "nesta legislatura, o que tem acontecido é uma baixa de impostos e um alívio fiscal, o que se traduz em mais receita fiscal pela melhoria dos rendimentos e da atividade económica".

"Isso leva-nos a continuar o caminho de apoio às famílias e às empresas" no OE2019.

Como exemplo, António Mendonça Mendes apontou que "as famílias portuguesas pagarão menos mil milhões de euros em IRS [Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares] no próximo ano do que pagariam com as regras de 2015", ano em que este Governo, de maioria socialista, tomou posse.

O governante destacou ainda o apoio dado às empresas, nomeadamente do interior, que terão benefícios fiscais em sede Imposto Sobre o Rendimento das Pessoas Coletivas (IRC).

Na proposta de OE2019, o Governo estima um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 2,2% no próximo ano, uma taxa de desemprego de 6,3% e uma redução da dívida pública para 118,5% do PIB.

O executivo mantém a estimativa de défice orçamental de 0,2% do PIB no próximo ano e de 0,7% do PIB este ano.

"Este é um caminho, mas não é um início em um fim, é um desenrolar de um caminho que tem resultados", adiantou António Mendonça Mendes.

Falando sobre as acusações de aumento da carga fiscal, o governante rejeitou-as, sustentando que "é a atividade económica que está a alavancar" a subida das receitas com impostos.

E assinalou que, por exemplo, "o IRS cresce numa altura em que desceu a taxa imposto, mas, ao mesmo tempo, houve um enorme crescimento do emprego e das remunerações".

António Mendonça Mendes notou que, em 2018, a receita fiscal aumentou 5% para 2,1 mil milhões de euros, sendo que os impostos que mais contribuíram foram o sobre o valor acrescentado (IVA), o IRS e o IRC.

Em conjunto, estes três impostos equivaleram, este ano, a 1,86 mil milhões de euros, "representando 80%" do total das receitas fiscais, referiu.

"Acho que esta discussão [sobre o aumento da carga fiscal], sendo uma boa discussão, deve ser colocada no devido tempo", concluiu António Mendonça Mendes.

A votação final global da proposta de OE2019 está agendada para 30 de novembro.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhoras dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório