Meteorologia

  • 23 ABRIL 2019
Tempo
12º
MIN 10º MÁX 13º

Edição

Subida de taxa de juro normaliza política mas prejudica economias frágeis

Os bancos centrais em todo o mundo estão a voltar a subir as taxas de juro, normalizando a política monetária, mas com efeitos negativos para o financiamento do desenvolvimento económico em África, particularmente em Angola e Moçambique.

Subida de taxa de juro normaliza política mas prejudica economias frágeis
Notícias ao Minuto

09:06 - 28/10/18 por Lusa

Economia bancos centrais

Numa ronda pelos maiores bancos centrais, que regulam cerca de 90% da economia global, conclui-se que 10 dos 22 já aumentaram as taxas de juro desde abril, e outros sete devem subir novamente ou ainda neste ou no próximo ano.

A subida das taxas de juro para níveis 'normais' acontece dez anos depois de os bancos centrais terem descido as taxas para mínimos históricos, em plena recessão mundial e com a esperança de que o custo barato do dinheiro ajudasse a economia a recuperar.

Nos últimos dez anos, as economias mais vulneráveis, como as da África subsaariana, beneficiaram de custos de financiamento historicamente baixos, o que redundou num forte aumento do endividamento destas economias, não só pelas necessidades próprias destes países, mas também pelo interesse dos investidores em procurarem rendimentos mais elevados para o seu capital.

Numa nota emitida recentemente, a consultora Capital Economics revelava que nos últimos anos a subida do endividamento medido em função do Produto Interno Bruto (PIB) foi de 12 pontos percentuais nos mercados emergentes, mas foi de 27 pontos percentuais na África subsaariana, com Angola e Moçambique a superarem os 30 pontos percentuais de aumento.

A taxa de juro diretora da Reserva Federal norte-americana está agora no valor mais alto desde 2009 e os analistas antecipam um novo aumento em dezembro e no próximo ano, fazendo a taxa que age como padrão do custo do dinheiro suba dos atuais 2,25% para 2,5% ainda este ano e para 3% em 2019, podendo avançar para os 3,5% no ano seguinte, dependente da evolução da economia norte-americana.

O Banco Central Europeu, por seu turno, vai continuar a comprar dívida pelo menos até ao final deste ano, embora reduzindo o montante para metade (de 30 para 15 mil milhões de euros), e já assumiu que não aumentará as taxas de juro diretoras até ao próximo verão.

"O desafio para os decisores políticos é evitar travar excessivamente a economia durante um período em que as ajudas orçamentais vão diminuir e, em última análise, reverter-se", comentou à Bloomberg a analista Yelena Shulyatyeva, especializada na análise da política monetária do banco liderado por Jerome Powell.

Evolução das taxas de juro...........................Atual....2018.....2019Banco Central Europeu.....-0,4%....-0,4%....-0,15%Reserva Federal EUA........2,25%....2,5......3%FONTE: Estimativas da Bloomberg

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhoras dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório