Meteorologia

  • 19 NOVEMBRO 2018
Tempo
14º
MIN 13º MÁX 15º

Edição

Caldeira Cabral sai com polémica escolha para vogal da ERSE acesa

Caldeira Cabral, que há três anos deixou os bastidores da política para o Ministério da Economia, não resistiu à terceira remodelação ministerial, e sai do Governo com a polémica escolha do deputado Carlos Pereira para vogal da ESRE ainda acesa.

Caldeira Cabral sai com polémica escolha para vogal da ERSE acesa
Notícias ao Minuto

15:11 - 14/10/18 por Lusa

Economia Governo

Antes desta polémica o ter levado ao parlamento com caráter de urgência, Manuel Caldeira Cabral foi o rosto do executivo - com o primeiro-ministro, António Costa - que anunciou a continuidade da Web Summit em Lisboa por mais 10 anos, um dos dossiês que liderou ao longo do mandato, marcado por uma agenda preenchida com visitas a empresas, de norte a sul do país, e participação em debates.

Desde as primeiras intervenções públicas, o governante assumiu que o investimento seria “a forte prioridade" e o papel das empresas "tem de ser o fator principal", pela sua capacidade "de assumir riscos que podem criar valor, criar emprego e aumentar a produtividade”.

Manuel Caldeira Cabral, antigo assessor de Manuel Pinho e Teixeira dos Santos, eleito deputado pelo círculo de Braga, assumiu em 26 de novembro de 2015, um super-ministério, que juntava o turismo, o comércio, as PME e a energia, atribuídos a quatro secretários de Estado.

No ano passado sofreu uma baixa, com João Vasconcelos a pedir a demissão da secretaria de Estado da Indústria, um dia antes de o Ministério Público o ter constituído arguido, no inquérito relativo às viagens da Galp para assistir a jogos do Euro2016.

Escolheu então Ana Teresa Lehmann para o substituir, herdando assim o dossiê da cimeira de tecnologia e empreendedorismo Web Summit.

Paulo Alexandre Ferreira, com o comércio, Jorge Seguro Sanches, com a Energia, e Ana Mendes Godinho, com o Turismo, compunham a equipa do Ministério, que com a remodelação hoje anunciada perde a Energia, que transita para o Ministério do Ambiente, à semelhança do que acontecia no anterior executivo.

Nascido em 28 de abril de 1968, Caldeira Cabral, professor universitário no departamento de Economia da Escola de Economia e Gestão da Universidade do Minho, foi um dos economistas que preparou o cenário macroeconómico de António Costa.

Nos bastidores da política, foi também assessor do ex-ministro da Economia do PS Manuel Pinho, em 2009, e do antigo ministro das Finanças, Teixeira dos Santos, em 2011.

É licenciado em Economia pela Universidade de Lisboa e tem doutoramento pela Universidade de Nottingham com a tese intitulada 'Factor Content of Vertical and Horizontal Intra-industry Trade'.

Entre 1988 e 1991, Caldeira Cabral trabalhou como jornalista no Semanário Económico e no Diário Económico. Posteriormente, foi assessor na Associação Portuguesa de Seguradores (APS).

O primeiro-ministro fez hoje a maior remodelação no Governo, envolvendo quatro ministérios, com a substituição, na Defesa, de Azeredo Lopes por João Gomes Cravinho, e na Economia, de Manuel Caldeira Cabral por Pedro Siza Vieira.

O primeiro-ministro propôs ainda as mudanças do ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes, substituído por Marta Temido, e do ministro da Cultura, pasta em que Graça Fonseca sucede a Luís Filipe Castro Mendes - nomeações já aceites pelo Presidente da República.

Com as mudanças agora operadas, o número de ministros desce de 17 para 16, já que Pedro Siza Vieira passa a ser ministro Adjunto e da Economia.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhoras dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório