Meteorologia

  • 09 DEZEMBRO 2018
Tempo
13º
MIN 12º MÁX 14º

Edição

Para Banco Mundial Angola tem de aumentar produtividade e resolver dívida

O economista-chefe do Banco Mundial para a África considerou hoje que Angola precisa de aumentar a produtividade e resolver o problema da dívida, sublinhando que o seu frágil desempenho económico está a contribuir para abrandar o crescimento africano.

Para Banco Mundial Angola tem de aumentar produtividade e resolver dívida
Notícias ao Minuto

12:46 - 13/10/18 por Lusa

Economia Desempenho

"Há várias coisas que Angola pode fazer. Uma delas passa por aumentar a capacidade do seu sistema produtivo, porque fazer subir os preços não é o caminho", defendeu Albert Zeufeck, em declarações à agência Lusa à margem dos Encontros Anuais do Fundo Monetário Internacional (FMI) e do Banco Mundial que se realizam até domingo em Bali, na Indonésia.

"Três das maiores economias africanas, Angola, Nigéria e África do Sul, estão a abrandar o crescimento económico de África", salientou.

"Há também um problema com a dívida, que precisa de ser respondido", à semelhança do que acontece em Moçambique, acrescentou, esclarecendo, contudo, que os casos são diferentes nos dois países.

Antes, num debate sobre o desempenho económico africano, Albert Zeufeck tinha alertado para o facto de só nos primeiros quatro meses do ano os países africanos terem emitido mais títulos de dívida soberana sob a forma de 'eurobonds' do que em todo o ano passado.

"Não seria um problema se a dívida fosse suportável e se o investimento posterior fosse eficiente", indicou.

Em 13 de julho o Presidente angolano, João Lourenço, autorizou o ministro das Finanças, Archer Mangueira, a "executar as ações e implementar as medidas necessárias" para a "concretização do financiamento externo adicional até ao montante de 500 milhões de dólares [cerca de 426 milhões de euros]", em 'eurobonds'.

O objetivo é acrescentar cerca de mais 426 milhões de euros à emissão de mais de mil milhões de euros, datada de início de maio, cuja maturidade é de 30 anos.

Atualmente, o Governo angolano está a negociar um programa de apoio solicitado ao FMI, cujo acordo o ministro das Finanças de Angola disse na sexta-feira em entrevista à agência Lusa esperar estar concluído até dezembro e que arranque no início do exercício fiscal.

Sobre o valor total do apoio a ser concedido pelo FMI, Archer Mangueira disse agora à Lusa que ainda não existe ainda um valor acordado: "Estamos ainda na fase de definir metas, de definir objetivos, [de] combinação de políticas e, depois, certamente, (...) será definido também o montante".

Em 20 de agosto, num comunicado, o Ministério das Finanças angolano indicou ter solicitado "o ajustamento do programa de apoio do FMI, adicionando-se uma componente de financiamento" na missão que a instituição financeira efetuou a Luanda entre 01 e 14 do mesmo mês.

A informação prestada, então, era de que Angola pretendia obter um empréstimo de 4,5 mil milhões de dólares (3,85 mil milhões de euros), repartidos em três tranches iguais ao longo de outros tantos anos.

No arranque dos Encontros Anuais em Bali, o FMI reviu em baixa as previsões para Angola, prevendo agora uma ligeira recessão de 0,1% para este ano, o terceiro consecutivo de crescimento negativo, e estimou um crescimento de 3,1% em 2019.

"Em Angola, o segundo maior exportador da África Subsariana, o PIB real deve encolher 0,1% em 2018, seguindo uma recessão de 2,5% em 2017, mas projetamos que cresça 3,1% em 2019, com a recuperação a ser alimentada por um sistema de alocação da moeda externa mais eficiente e mais disponibilidade de moeda externa devido à subida dos preços do petróleo", escrevem os peritos do FMI nas Previsões Económicas Mundiais ('World Economic Oulook').

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhoras dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório