Meteorologia

  • 22 OUTUBRO 2018
Tempo
21º
MIN 20º MÁX 21º

Edição

Avaliações da extensão da concessão das barragens são "à prova de bala"

Rui Cartaxo, que foi assessor do ministro da Economia Manuel Pinho, defendeu hoje a opção pelas avaliações do Caixa BI e do Crédit Suisse à extensão da concessão das barragens à EDP, considerando que são "à prova de bala".

Avaliações da extensão da concessão das barragens são "à prova de bala"
Notícias ao Minuto

20:57 - 09/10/18 por Lusa

Economia Rui Cartaxo

"Queria ter duas opiniões autónomas, pois eu tinha à minha frente valorizações da EDP e da REN que estavam nos antípodas. Admito que se houvesse uma certa proximidade fazia-se um entorse à gramática e esquecia-se as avaliações independentes, mas não era essa a situação", afirmou Rui Cartaxo, referindo a diferença de valores propostos pelas duas empresas para a extensão do domínio hídrico.

Em audição na comissão parlamentar de inquérito às rendas excessivas aos produtores de eletricidade, Rui Cartaxo explicou a opção do executivo, já que "ter duas avaliações independentes [Caixa BI e do Crédit Suisse] é à prova de bala".

"É o que é feito em todo o mundo, e é entregue a duas entidades que só fazem aquilo -- avaliação de ativos energéticos ou outros. A minha tendência era para isso, porque o enquadramento legal apontava para aí", acrescentou.

Além disso, contrapôs, "a REN não é uma empresa de avaliação financeira".

Hoje de manhã, na mesma comissão de inquérito, a técnica da REN Maria de Lurdes Baía -- que integrou a equipa de trabalho EDP/REN para a cessação dos contratos de aquisição de energia (CAE) -- considerou que "na extensão do domínio hídrico houve uma subestimação de valores, no mínimo de 400 milhões de euros", referindo-se ao prolongamento dos contratos de concessão das barragens à EDP, que custou à elétrica 704 milhões de euros, aquém do proposto pela REN e acima do calculado pela EDP.

Rui Cartaxo, que em 2010 assumiria a presidência executiva da REN, admitiu que "talvez houvesse alternativa [à concessão do domínio hídrico à EDP], mas houve uma opção política, que já vem de 95, foi reiterada em 2003 e 2004 e depois há a posição acordada da REN com a EDP e aí tornou-se explícito, escrito preto no branco, que os CAE só caem se a subconcessão for entregue à EDP".

"Os CAE continuarem em vigor não era uma opção viável para o Estado, uma vez que incumpria a diretiva europeia. O Estado estava um bocadinho fragilizado", acrescentou.

Em resposta aos deputados, Rui Cartaxo garantiu que "toda a equipa do ministério [da Economia] teve acesso a estas quatro avaliações e a decisão de qual das avaliações é uma decisão política, do Governo, por iniciativa do ministério. Veio a ser tomada por um despacho conjunto do Ministério da Economia e do Ambiente".

Questionado sobre a existência de rendas excessivas na eletricidade, Rui Cartaxo defendeu que "o peso na conta da luz dos apoios às renováveis é muito mais relevante e significativo do que as eventuais rendas excessivas associadas aos CAE ou à transição dos CAE para os CMEC".

"Mas não posso garantir, a pés juntos, que tenham sido financeiramente equivalentes os CAE e os CMEC", concluiu.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhoras dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório