Meteorologia

  • 23 OUTUBRO 2018
Tempo
19º
MIN 19º MÁX 19º

Edição

Enquadramento regulatório do setor postal "é cada vez mais um desafio"

O presidente executivo dos CTT, Francisco de Lacerda, considera que o enquadramento regulatório "é cada vez mais um desafio" para os Correios no mercado português, além da aposta na digitalização e na diversificação do negócio.

Enquadramento regulatório do setor postal "é cada vez mais um desafio"
Notícias ao Minuto

08:37 - 09/10/18 por Lusa

Economia Presidente CTT

Questionado sobre quais os três maiores desafios que o setor enfrenta nos próximos três anos, a propósito do Dia Mundial dos Correios que hoje se comemora, Francisco de Lacerda apontou a digitalização, a diversificação do negócio e, por último, o enquadramento regulatório em Portugal, onde tece críticas aos indicadores impostos pela Anacom - Autoridade Nacional de Comunicações.

"O enquadramento regulatório com que nos deparamos em Portugal é cada vez mais um desafio", isto porque "os novos indicadores de qualidade de serviço são mais numerosos e exigentes do que a quase totalidade dos países europeus, onde se tem verificado uma flexibilização dos níveis de serviço exigidos", apontou o gestor.

"Vamos passar de 11 para 24 indicadores, quando a média europeia é de seis indicadores, temos seis objetivos de qualidade fixados em 99,9% e a definição de indicadores que só existem em Portugal", salientou.

O presidente executivo dos CTT salientou a digitalização, que é transversal a todos os setores económicos, como um desafio à atividade postal em termos globais.

"Os operadores postais -- e os CTT -- atuam num setor em profunda transformação e têm vindo a adaptar o seu modelo de negócio para compensar a queda estrutural no negócio de Correio, fruto da digitalização", disse.

Apesar da atividade tradicional de correio "ainda representar uma parte relevante da atividade", a estratégia definida pelos CTT que está a ser aplicada há vários anos "passa pela diversificação do negócio", quer na aposta do segmento Expresso e Encomendas, como no Banco CTT.

"Em paralelo, continuamos a implementar o Plano de Transformação, que inclui significativos investimentos e aposta na eficiência e qualidade de serviço do negócio postal, assegurando o serviço postal universal num quadro de quebra forte e contínua dos volumes de correspondência", concluiu.

Questionado sobre o impacto do comércio eletrónico na faturação dos correios, em geral, o gestor afirmou: "Acreditamos que ainda há muito espaço para crescer, já que o volume de encomendas 'per capita' geradas pelo 'e-commerce' [comércio eletrónico] em Portugal e Espanha está muito abaixo da média face a outras geografias europeias".

No entanto, "a expectativa é de que, a nível global, o crescimento do volume de negócios do 'e-commerce' anual se manterá nos dois dígitos, pelo menos até 2020", adiantou Francisco de Lacerda.

Tendo em conta que a digitalização é um desafio para o setor postal a Lusa questionou se as cartas, que sempre foram emblemáticas do setor postal, poderão desaparecer com o tempo.

"Apesar da cada vez maior digitalização, a grande transformação que está a pressionar a redução dos volumes de correspondências, não vejo as cartas a desaparecerem totalmente nos próximos anos", considerou.

"Com a distribuição de encomendas e cartas, e com a forte presença em todo o território através das suas redes, os correios não perderão a sua vertente física e de proximidade às populações, um dos maiores valores dos operadores postais", prosseguiu.

Salientou, no entanto, que o setor será cada vez mais digital, "com processos automatizados, libertando os funcionários para tarefas de maior valor acrescentado, com entregas personalizadas e serviços baseados no acesso digital, através de aplicações ou 'sites'".

Os CTT querem "continuar a crescer e reforçar a liderança e é por isso que temos vindo a lançar produtos, serviços e projetos inovadores no segmento de 'e-commerce' e estabelecido parcerias com 'várias 'startups' ligadas ao comércio 'online' e também com a China Post para dinamizar os fluxos de encomendas entre China e Portugal", acrescentou Francisco de Lacerda.

"É também por isso que estabelecemos uma parceria com a Sonae no Dott, uma plataforma de 'marketplace' de comércio eletrónico, que muito em breve chegará ao mercado", concluiu.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhoras dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório