Meteorologia

  • 19 NOVEMBRO 2018
Tempo
10º
MIN 10º MÁX 10º

Edição

Trabalhadores do BCP pedem devolução de cortes nos salários este ano

Os trabalhadores do BCP querem receber, ainda este ano, o valor dos cortes nos salários que sofreram a partir de 2012, segundo avançou à Lusa Paulo Marcos, presidente do Sindicato Nacional dos Quadros e Técnicos Bancários (SNQTB).

Trabalhadores do BCP pedem devolução de cortes nos salários este ano
Notícias ao Minuto

19:10 - 04/10/18 por Lusa

Economia Sindicato

"Efetivamente, encontra-se ultrapassada a situação ocorrida em 2012 no BCP e que originou a necessidade da subsequente redução transitória das remunerações dos trabalhadores que auferiam mais de mil euros mensais", defendeu o SNQTB numa nota enviada à Lusa.

Por isso, o SNQTB "dirigiu hoje uma carta ao presidente da Comissão Executiva do Millennium bcp, Dr. Miguel Maya, alertando e relembrando para a necessidade da devolução, ainda no decurso do ano de 2018, das prestações remuneratórias retidas aos trabalhadores entre 2014 e junho 2017", disse a mesma nota.

"De facto, em 2018 estamos perante a notável recuperação do Millennium bcp, resultado do contributo emergente da lealdade dos clientes, competência da equipa de gestão, paciência e resiliência dos acionistas mas também, e especialmente, da dedicação, entrega e sentido de compromisso dos quadros e técnicos bancários e dos trabalhadores do banco, em geral", realçou o documento.

Paulo Marcos afirma que "não faz sentido" continuar sem a devolução destes valores que foram cortados nas remunerações dos trabalhadores na altura em que o banco atravessou dificuldades, recordando que em cima da mesa estava um acordo por três anos, entre 2014 e 2017. Nesse acordo, "ficou consignado um compromisso com vista à reposição aos trabalhadores do valor retributivo que seria retido nesse período transitório, uma vez que se encontrasse ultrapassada a situação que a tinha originado", adianta o SNQTB.

Em cima da mesa estão valores que oscilam entre 30 e 40 milhões de euros.

Entre meados de 2014 e meados 2017, os trabalhadores do BCP com remunerações acima de 1.000 euros brutos mensais tiveram os salários cortados (entre 3% e 11%), no âmbito da reestruturação do banco acordada com Bruxelas que se seguiu à ajuda estatal (de 3.000 milhões de euros) e que implicou também o fecho de balcões e a saída de milhares de trabalhadores num programa de reformas antecipadas e rescisões por mútuo acordo.

O fim dos cortes salariais acabou em julho de 2017, tendo então o banco dito que os cortes, que duraram três anos, permitiram salvar 400 postos de trabalho.

O presidente executivo do BCP disse em julho deste ano que queria devolver estes valores "o mais depressa possível".

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhoras dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório