Meteorologia

  • 12 DEZEMBRO 2018
Tempo
15º
MIN 15º MÁX 15º

Edição

"Clientes mais informados são mais atentos e mais aptos a escolher"

O governador do Banco de Portugal (BdP), Carlos Costa, reafirmou hoje a importância de os clientes bancários estarem informados, referindo que a literacia financeira é fundamental para um "mercado eficiente".

"Clientes mais informados são mais atentos e mais aptos a escolher"
Notícias ao Minuto

10:48 - 25/09/18 por Lusa

Economia Carlos Costa

"Sem clientes informados não há um mercado eficiente. Sem supervisão, mesmo esses clientes podem cair em ilusões", disse o responsável que falava na abertura da conferência "Supervisão comportamental bancária -- Novos desafios dez anos depois da crise financeira", que decorre hoje em Lisboa.

Para Carlos Costa, "clientes mais informados são por norma clientes mais atentos e exigentes e mais aptos a escolher, nos últimos anos, tornou-se "claro" que a literacia financeira e aptidão financeira são uma condição necessária para a estabilidade financeira e, por isso, a promoção da literacia financeira no campo da informação digital é uma das prioridades atuais do supervisor.

Durante a intervenção da abertura, o governador do BdP fez ainda um alerta aos jovens para os riscos na utilização dos canais digitais.

Por outro lado, defendeu, os reguladores têm de assumir um papel ativo no ecossistema, acautelando os riscos que podem emergir e acompanhar "de perto" a inovação nos mercados financeiros.

"A regulação e supervisão não podem impedir a inovação, mas a inovação não pode pôr em causa a estabilidade financeira. O cliente deve-se sentir protegido, independentemente dos canais de comercialização", disse Carlos Costa.

Decisões financeiras robustas ou sustentáveis por parte de cada um dos indivíduos que integram um dado espaço económico-financeiro e, em particular, por parte dos clientes bancários, são também determinantes para a estabilidade financeira, segundo Carlos Costa, mas não são uma condição suficiente, na medida em que os agentes económicos não têm em conta e, portanto, não contemplam, as externalidades das suas decisões ou ações, em particular o risco sistémico.

"Esta constatação é particularmente relevante quando se desenvolvem situações de euforia no mercado, nomeadamente no mercado residencial e hipotecário. A intensidade e a propagação de expectativas distorcidas de valorização de ativos são tanto maiores quanto menor for a literacia e a experiência financeiras de uma dada população", disse.

Isto significa que uma melhoria da educação financeira contribui para a estabilidade financeira, "mas não impede externalidades negativas que ponham em causa a estabilidade do sistema financeiro", concluiu.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhoras dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório