Meteorologia

  • 22 OUTUBRO 2018
Tempo
14º
MIN 14º MÁX 15º

Edição

FocusEconomics desce crescimento de Angola de 1,9% para 1,6% este ano

A consultora FocusEconomics desceu a previsão de crescimento económico de Angola, de 1,9% para 1,6% este ano, devido à recessão de 2,2% no primeiro trimestre que, dizem, motivou o pedido de ajuda do FMI.

FocusEconomics desce crescimento de Angola de 1,9% para 1,6% este ano
Notícias ao Minuto

10:39 - 23/09/18 por Lusa

Economia Consultora

"Os recentes dados do Instituto Nacional de Estatística angolano confirmam que a economia continuou em recessão no princípio deste ano; o PIB contraiu-se 2,2% face aos primeiros três meses de 2017, principalmente devido à baixa produção do importante setor petrolífero e na indústria de refinaria, bem como no setor do comércio", escrevem os analistas.

Na avaliação mensal das economias africanas, enviada hoje aos investidores e a que a Lusa teve acesso, a FocusEconomics baixa a previsão de crescimento para este ano em 0,3 pontos percentuais, descendo também a perspetiva de expansão económica para 2019 em 0,1 pontos, que passa agora a ser de 2,2%.

"Os indicadores disponíveis para o segundo trimestre parecem pintar um quadro sombrio, também, com a produção de petróleo a cair para mínimos de 11 anos, anulando possivelmente os ganhos da subida dos preços do petróleo e sinalizando possivelmente um enfraquecimento ainda maior do setor externo", acrescentam os analistas.

A degradação dos indicadores para o primeiro trimestre, consideram, foi uma das principais razões para Angola "pedir assistência financeira ao FMI, pedindo o instrumento que oferece pagamentos mais longos que o habitual em troca de reformas económicas".

"Com as almofadas orçamentais e externas a degradarem-se, em vez de pedir um resgate total das finanças públicas, o novo Presidente, João Lourenço, salientou que pretendia garantir prazos de pagamento maiores do que o habitual, em troca de reformas económicas", dizem os analistas.

"Assim, este empréstimo muito desejado parece desenhado para garantir maior cobertura política à agenda de reformas económicas mais agressiva e à aceleração dos esforços para cumprir a promessa de erradicação da corrupção fortemente enraizada", continuam.

O empréstimo do FMI, na visão da FocusEconomics, "vai conferir mais legitimidade às reformas do Governo, deixando a porta aberta para mudanças ainda maiores", até porque a diversificação económica, embora em curso, tem tido um progresso lento.

"Novas leis da concorrência, bem como novas leis para aumentar o investimento externo e uma nova pauta aduaneira fizeram pouco para melhorar significativamente as finanças públicas", dizem os analistas, reconhecendo, ainda assim, que "o Presidente João Lourenço tem dado importantes passos para combater a corrupção e preparar o país para as mudanças", com o fim da indexação do kwanza ao dólar.

A FocusEconomics mantém a ideia de que Angola vai sair este ano da recessão e acelerar o crescimento no próximo ano, apoiado pelo programa do FMI, pelas medidas de consolidação orçamental e pela diversificação económica, para além da transição para um regime cambial mais flexível.

Sobre a evolução da dívida pública, estimam um crescimento para 74,2% do PIB este ano e uma descida para 70,9% em 2019.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhoras dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório