Meteorologia

  • 15 DEZEMBRO 2018
Tempo
15º
MIN 14º MÁX 15º

Edição

China cancela conversações sobre tarifas com os EUA

A China cancelou as conversações previstas com os Estados Unidos sobre as tarifas alfandegárias e não deve reunir-se com as autoridades norte-americanas até depois das eleições intercalares de novembro, noticia hoje a Bloomberg.

China cancela conversações sobre tarifas com os EUA
Notícias ao Minuto

12:03 - 22/09/18 por Lusa

Economia Bloomberg

De acordo com a agência de informação financeira, que cita pessoas conhecedoras dos planos, mas sem as identificar, os responsáveis chineses recuaram na ideia de se reunir com os norte-americanos na próxima semana.

Para além de novas tarifas que abrangem 200 mil milhões de dólares de bens chineses, que vão entrar em vigor na segunda-feira, a decisão do Departamento de Estado dos EUA de decretar sanções contra a China contribuiu para o cancelamento da reunião, explica a Bloomberg, que acrescenta não haver ainda uma posição oficial de Pequim.

"Seria como ir lá a pedir um insulto se a China avançasse com as negociações depois de os EUA terem anunciado nas sanções e tarifas", comentou Shi Yinhong, professor de Relações Internacionais da Universidade chinesa de Renmin.

Na terça-feira, Pequim anunciou a imposição de novas taxas alfandegárias a bens norte-americanos que representam 60 mil milhões de dólares (51 mil milhões de euros) de importações anuais na China, em resposta ao anúncio norte-americano no mesmo sentido.

"Se os Estados Unidos insistirem em aumentar ainda mais as suas taxas alfandegárias, a China responderá do mesmo modo", adiantou o governo chinês num comunicado divulgado pelo Ministério das Finanças.

O Presidente norte-americano, Donald Trump, anunciou na segunda-feira novas taxas alfandegárias sobre um total de 200 mil milhões de dólares (171 mil milhões de euros) de importações oriundas da China, cerca de 40% das importações vindas deste país.

O executivo de Pequim já tinha manifestado a sua perplexidade com as "novas incertezas" decorrentes do anúncio feito enquanto decorrem negociações entre a China e os Estados Unidos para regular o seu diferendo comercial.

Em junho passado, Trump impôs taxas de 25% sobre 50 mil milhões de dólares (43 mil milhões de euros) e Pequim retaliou com impostos sobre o mesmo montante de bens importados dos Estados Unidos.

De acordo com o comunicado da Casa Branca, as novas taxas "começam a vigorar em 24 de setembro e serão de 10% até ao final do ano. Em 01 de janeiro, as taxas serão elevadas para 25%".

"Se a China tomar medidas de represália contra os nossos agricultores ou outras indústrias, vamos aplicar imediatamente a Fase 3, isto é, taxas alfandegárias sobre cerca 267 mil milhões de dólares de importações suplementares", adianta Trump no mesmo comunicado.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhoras dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório