Meteorologia

  • 20 NOVEMBRO 2018
Tempo
16º
MIN 15º MÁX 17º

Edição

CGTP pede vontade política para resolver condicionalismos

O secretário-geral da CGTP, Arménio Carlos, disse hoje que a central sindical nunca teve nenhuma "oposição de fundo" do Governo às propostas apresentadas para o Orçamento do Estado, mas pediu "vontade política" para resolver os condicionalismos.

CGTP pede vontade política para resolver condicionalismos
Notícias ao Minuto

21:53 - 13/09/18 por Lusa

Economia OE2019

"Até hoje nunca tivemos nenhuma oposição de fundo por parte do Governo relativamente às nossas reivindicações. A única coisa que nos transmitem é que há constrangimentos e condicionalismos, mas quando nós temos vontade política até somos capazes de ultrapassar esses condicionalismos", disse Arménio Carlos aos jornalistas, em Lisboa, após uma reunião do Conselho Nacional.

Para o responsável da central sindical, atualmente verifica-se "falta de vontade política para resolver determinados problemas", o que leva a uma maior contestação, nomeadamente, na área dos serviços públicos.

"Foi preciso a população portuguesa se movimentar em força para anunciar que havia uma degradação dos serviços na saúde e no setor ferroviário para o Governo agora vir anunciar medidas que a CGTP já lhe tinha apresentado há dois anos", notou.

De acordo com Arménio Carlos, a justificação para o executivo, liderado pelo socialista António Costa, não ter avançado antecipadamente com as medidas necessárias não deve recair sobre o ministro das Finanças, Mário Centeno.

"Nós não responsabilizamos o ministro das Finanças, responsabilizamos o Governo por permitir que o ministro continue a dispor de um poder sobrenatural que vai trazendo problemas graves", vincou.

A central sindical apresentou hoje um conjunto de propostas para o Orçamento do Estado para 2019 (OE2019), incluindo o anunciado aumento salarial de "pelo menos" 4% e 650 euros de salário mínimo a partir de 01 de janeiro.

A CGTP considera ainda "imprescindível a revogação das normas gravosas" da legislação laboral, de que são exemplo a caducidade e a reposição do princípio do tratamento mais favorável.

No caderno reivindicativo da confederação inclui-se também a rejeição e combate à desregulação dos horários de trabalho (adaptabilidades, banco de horas e horários concentrados) e a semana de 35 horas semanais para todos os trabalhadores.

Por sua vez, no eixo da Segurança Social, a CGTP defendeu o aumento das pensões de reforma e a alteração das regras de acesso à idade legal da aposentação, "repondo os 65 anos" e fixando o acesso à pensão, sem penalizações, a todos os trabalhadores com pelo menos 40 anos de descontos.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhoras dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório