Meteorologia

  • 24 JULHO 2019
Tempo
17º
MIN 17º MÁX 18º

Edição

Investimento direto da China em África atinge os 2.500 milhões anuais

A China está a cimentar a presença em África com investimentos diretos anuais de 2.500 milhões de euros, apenas com o reino do Eswatini fora desta "parceria", ausente do terceiro Fórum de Cooperação China-África (FOCAC), que arranca na segunda-feira.

Investimento direto da China em África atinge os 2.500 milhões anuais
Notícias ao Minuto

09:59 - 01/09/18 por Lusa

Economia FOCAC

O evento, que decorre entre 03 e 04 de setembro e que também simboliza a importância da presença e investimento direto da China no continente africano, realiza-se em Pequim e contará com chefes de Estado e do Governo de vários países africanos, incluindo os Presidentes de Angola e Moçambique, João Lourenço e Filipe Nyusi, respetivamente.

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, também participará.

No discurso de abertura do FOCAC, o Presidente chinês, Xi Jinping, deverá propor novas ideias para fortalecer as relações com África e anunciar novas medidas para uma cooperação pragmática, de acordo com informação transmitida nos últimos dias por Pequim.

A terceira edição da cimeira contará com três novos países: São Tomé e Príncipe, Burkina Faso e a Gâmbia, que elevam assim para 53 o número de nações africanas com relações com a China e que deverão participar no certame.

Eswatini, antigo reino da Suazilândia, é o único país sem ligações oficiais à República Popular da China, por reconhecer Taiwan.

Desde 2000 que diversos países africanos, como o Chade e o Senegal, que recebiam ajudas de Taiwan, romperam as suas relações com a ilha para beneficiar da cooperação chinesa.

Em agosto, o ministro dos Negócios Estrangeiros de Taiwan, Joseph Wu, condenou "a diplomacia do dólar" de Pequim, por atrair aliados da ilha através de ajuda financeira e investimento.

À margem do fórum deverão decorrer encontros bilaterais para o estreitamento de relações entre as duas partes.

A relação entre os dois blocos, China e África, apresenta já alguma solidez, com dados divulgados no dia 29 de agosto a apontarem que a China foi durante o primeiro semestre de 2018 o maior parceiro comercial de África, pelo nono ano consecutivo.

Entre janeiro e junho de 2018, o comércio bilateral aumentou 16%, em termos homólogos, para 98.800 milhões de dólares (84.600 milhões de euros), disse na altura o vice-ministro chinês do Comércio, Qian Keming, em conferência de imprensa.

Durante o FOCAC de 2015, em Joanesburgo, Pequim assinou dez acordos de cooperação com o continente, nas áreas económica e comercial.

Qian afirmou que os acordos foram todos implementados e alguns "produziram resultados muito bons".

Desde 2015, a média anual do investimento direto da China no continente fixou-se em 3.000 milhões dólares (2.500 milhões de euros), com destaque para novos setores como indústria, finanças, turismo e aviação.

Dados oficiais divulgados na quarta-feira apontam que a cooperação com Pequim leve ao continente africano 30.000 quilómetros de autoestradas, uma capacidade anual portuária de 85 milhões de toneladas e uma capacidade de produção elétrica de 20.000 megawatts.

Pequim também investiu no setor bélico, tendo criado no Djibouti a sua primeira base militar fora de território chinês.

Além de infraestruturas, a China também assistiu em questões de saúde pública, tendo enviado 1.500 membros de equipas médicas para diagnosticar e tratar de 460.000 pacientes em África, segundo Qian Keming.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhoras dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório