Meteorologia

  • 20 OUTUBRO 2018
Tempo
19º
MIN 18º MÁX 20º

Edição

"Nunca me senti tão mal" como quando Sócrates anunciou bonificados

O especialista em energia Clemente Pedro Nunes afirmou hoje no parlamento que nunca se sentiu tão mal como quando o então primeiro-ministro José Sócrates anunciou 8.000 megawatts (MW) de produção eólica intermitente com tarifas bonificadas.

"Nunca me senti tão mal" como quando Sócrates anunciou bonificados
Notícias ao Minuto

13:57 - 17/07/18 por Lusa

Economia Pedro Nunes

"Em 2009, o primeiro-ministro José Sócrates fez um discurso no Pavilhão de Portugal em que anunciou 8.000 MW. Na minha vida nunca me senti tão mal. Eu pensei como era possível dar tarifas 'feed-in' a 8.000 MW", afirmou o professor catedrático do Instituto Superior Técnico, realçando a "dimensão estratosférica" do nível de produção apoiada.

Em audição na comissão parlamentar de inquérito às rendas da energia, Clemente Pedro Nunes defendeu que "o sistema elétrico saiu fora de controlo quando se deram tarifas bonificadas superiores a 1.800MW", que, defendeu, "já era um grande apoio aos produtores eólicos".

Ainda antes disso, revelou, sensibilizou o então presidente da Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ESRE) Jorge Vasconcelos (1996-2006) para o risco de "o país ir à falência" se essa "moda" continuasse, referindo que "o mais sensível" para a questão foi o secretário de Estado Manuel Lancastre, titular da pasta da energia, do governo de Santana Lopes, quando "na altura estavam aplicadas apenas a 1.200 MW.

"Tudo começou em 2004, quando foram concedidos pelos governos potências eólicas e fotovoltaicas intermitentes de cerca de 1.200MW, uma potência já bastante significativa, mas, entre 2005 e 2006, foram aprovadas potências que elevaram o conjunto para perto de 6.000MW, e o caos estava instalado", criticou.

Em vez de se focar na cessação antecipada dos custos de aquisição de energia (CAE) e a substituição pelos custos de manutenção do equilíbrio contratual (CMEC), que tem sido principal tema das audições anteriores, Clemente Pedro Nunes insistiu no "cocktail explosivo", considerando que "o efeito conjugado [das tarifas feed-in com os CAE/CMEC] não está considerado na generalidade dos estudos feitos sobre as rendas da energia".

"É que quanto maior for a quantidade de potência atribuída a eletricidade intermitente [eólica e fotovoltaica] protegida com 'feed-in tariffs', maior é o custo suportado pelos consumidores também através dos CAE/CMEC, pois, passando a estar as centrais térmicas que dispõem de CAE/CMEC muito mais tempo paradas, muito mais dinheiro têm os consumidores que pagar para compensar os respetivos beneficiários para elas alcançarem as rentabilidades mínimas que lhes foram garantidas".

Neste contexto, defendeu que "o termo rendas excessivas é pouco agressivo para aquilo que se passou", considerando que a comissão parlamentar de inquérito "já devia ter funcionado há 10 ou 12 anos, porque já estava a ser construído o 'monstro' e hoje estamos com ele ao colo".

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhoras dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório