Meteorologia

  • 21 JULHO 2018
Tempo
19º
MIN 18º MÁX 19º

Edição

Desempregados da Siderurgia Nacional voltam a reunir-se com Governo

Representantes de desempregados da antiga Siderurgia Nacional, que hoje estiveram reunidos com o Ministério do Trabalho, voltam a reunir-se com a tutela em setembro, após uma reunião sem soluções para um processo que se arrasta há 17 anos.

Desempregados da Siderurgia Nacional voltam a reunir-se com Governo
Notícias ao Minuto

13:32 - 12/07/18 por Lusa

Economia Siderugia

"Reunimo-nos com o adjunto do ministro do Trabalho e com a adjunta secretária de Estado da Segurança Social, expusemos os nossos problemas e a resposta foi que compreendem a nossa situação e que em setembro vamos ter uma nova reunião para analisarem tudo o que se passa para aí poderem decidir, se é que vão decidir alguma coisa", disse Nuno Silva, desempregado da Siderurgia Nacional, à agência Lusa.

Falando em nome de outros desempregados, Nuno Silva lembrou que "isto é uma luta que se arrasta há 17 anos", levando a que "os trabalhadores estejam num desgaste total".

"Há aqui desempregados que não têm maneira de se sustentar. Alguns [tendo em conta a idade] foram obrigados a ir para uma reforma geral quando há um decreto-lei que os abrange na reforma dos siderúrgicos - e se optássemos por essa reforma, teríamos uma reforma razoável", contou à Lusa.

Porém, "como o Estado não nos dá acesso a essa reforma, apesar de existir essa lei, os trabalhadores optaram pela reforma geral, sendo penalizados, e estão na miséria", afirmou, indicando que ainda "há outros trabalhadores que nem isso conseguem e estão a receber rendimento mínimo [de inserção] que nem lhes dá para viver".

Os antigos trabalhadores defendem que a base de cálculo para a reforma tenha em conta o vencimento que cada um recebia na Siderurgia Nacional. Para os trabalhadores que se reformaram antecipadamente, defendem que seja retirado o fator de sustentabilidade, e que seja dada atenção aos desempregados de longa duração.

Segundo Nuno Silva, o caso já passou por vários executivos, desde logo em 2002, quando um secretário de Estado se comprometeu a resolver a situação, mas nunca houve solução.

Na origem do caso está a dispensa de 200 trabalhadores da Siderurgia Nacional Serviços que, em 2001, assinaram a rescisão dos seus contratos no quadro do encerramento da atividade siderúrgica da empresa pública.

Nessa altura, a empresa Siderurgia Nacional foi reestruturada e passou das mãos do Estado para um grupo privado.

Nessa altura, de acordo com Nuno Silva, os trabalhadores foram pressionados a rescindir o contrato face às garantias apresentadas, de que após a reestruturação teriam os postos de trabalho assegurados dentro de um ano e uma boa indemnização.

Estes trabalhadores alegam que apenas assinaram as rescisões com a promessa de que seis meses a um ano depois frequentariam cursos de formação profissional e seriam reintegrados em novas empresas.

Contudo, as empresas que resultaram do encerramento da Siderurgia Nacional contrataram outras pessoas, que não os ex-funcionários.

Dado o final do prazo prometido, mais de 100 daqueles trabalhadores avançaram com um processo em tribunal, mas, entretanto, alguns deles já faleceram ou desistiram da causa porque se reformaram.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhoras dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório

Os cookies ajudam-nos a melhorar a sua experiência como utilizador.

Ao utilizar o nosso website, está a aceitar o uso de cookies e a concordar com a nossa política de utilização.