Meteorologia

  • 24 SETEMBRO 2018
Tempo
33º
MIN 32º MÁX 36º

Edição

Capacidade de financiamento da economia foi de 1,4% do PIB

A capacidade de financiamento da economia portuguesa foi de 1,4% do PIB no ano terminado no primeiro trimestre de 2018, refletindo a poupança das sociedades financeiras e dos particulares, segundo dados hoje divulgados pelo Banco de Portugal (BdP).

Capacidade de financiamento da economia foi de 1,4% do PIB
Notícias ao Minuto

13:15 - 12/07/18 por Lusa

Economia BdP

"A capacidade de financiamento da economia refletiu a poupança financeira das sociedades financeiras e dos particulares, respetivamente de 2% e 1,4% do PIB. Esta poupança foi mais do que suficiente para satisfazer as necessidades de financiamento das sociedades não financeiras e das administrações públicas, que atingiram, respetivamente, 1,4% e 0,7% do PIB", refere.

Segundo o BdP, os ativos financeiros líquidos dos particulares e das sociedades financeiras apresentaram um aumento homólogo de, respetivamente, 2,0 e 1,4 pontos percentuais do PIB, refletindo, para além da poupança financeira, as variações nos preços dos ativos financeiros e dos passivos.

As sociedades não financeiras, por sua vez, registaram uma redução do valor negativo dos seus ativos financeiros líquidos de 1,4 pontos percentuais do PIB, decorrente do aumento do PIB.

As administrações públicas foram o único setor a evidenciar uma redução dos ativos financeiros líquidos, tendo diminuído 6 pontos percentuais do PIB face ao período homólogo.

No final do primeiro trimestre de 2018, a economia portuguesa tinha uma posição financeira líquida face ao resto do mundo de -106,7% do PIB, o que compara com -105,8% do PIB registados no final do primeiro trimestre de 2017.

Nas estatísticas de emissões de títulos de dívida e de ações relativas a maio de 2018, o BdP diz que, em maio, as emissões líquidas (emissões brutas deduzidas de amortizações) de títulos por residentes totalizaram 0,9 mil milhões de euros.

"Este montante é explicado, maioritariamente, pelas emissões líquidas positivas de ações, no valor de 0,7 mil milhões de euros", refere.

Por setor institucional, destacou-se o setor das sociedades não financeiras, com emissões líquidas positivas de 0,8 mil milhões de euros, o valor mais elevado da série desde maio de 2017.

O saldo de títulos emitidos por residentes totalizou 465,1 mil milhões de euros, reduzindo 1,4 mil milhões de euros face a abril de 2018.

"Este decréscimo deveu-se, maioritariamente, à desvalorização dos títulos de dívida das administrações públicas, no valor de 3,0 mil milhões de euros, que mais do que compensou as emissões líquidas positivas no mês", justifica.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhoras dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório