Meteorologia

  • 25 JUNHO 2018
Tempo
19º
MIN 18º MÁX 19º

Edição

África cresce menos de 4% por ano até 2024

A consultora International Strategic Analysis (ISA) considera que os países do continente africano vão manter, em média, um crescimento económico abaixo de 4% até 2024, desacelerando face aos 6% ao ano entre 2000 e 2014.

África cresce menos de 4% por ano até 2024
Notícias ao Minuto

11:07 - 14/06/18 por Lusa

Economia Consultora

"Nos 15 anos entre 2000 e 2014, a economia africana como um todo cresceu quase 6% ao ano, com o crescimento a ser alicerçado nos preços altos das matérias-primas e pelo grande aumento do investimento estrangeiro, principalmente da China e de outras grandes economias asiáticas", escrevem os analistas.

Com o título 'Está o tempo a esgotar-se para a economia africana?", o relatório a que a Lusa teve acesso diz que, "no entanto, as taxas de crescimento em grande parte da região caíram de forma dramática nos últimos anos, com a taxa média geral a cair para apenas 2,5% por ano nos últimos três anos, ficando apenas um pouco acima da taxa de crescimento da população".

Num dos gráficos apresentados no documento, a ISA diz que houve vários fatores que levaram aos problemas económicos recentes, "alguns dos quais foram culpa da região, e outros o resultado de fatores externos que a falta de diversificação económica tornou impossível de evitar".

Em primeiro lugar e mais importante, escrevem os analistas, "os preços altos das matérias-primas que permitiram o aumento das taxas de crescimento no princípio da década acabaram em 2014, e mantiveram-se relativamente baixos desde então".

Como a maioria dos países africanos estava dependente de uma ou duas matérias-primas para garantir quase todas as exportações, "esta queda nos preços teve um impacto devastador nas suas economias", vinca a ISA, notando que "em nenhum local isto é mais evidente que nos maiores produtores de petróleo, como a Nigéria ou Angola, onde as taxas de crescimento económico caíram de forma dramática, acompanhando o preço do petróleo nos últimos anos".

Além destas dificuldades, a ISA salienta que "a instabilidade política continua generalizada na região, tornando muito difícil atrair o tipo de investimento estrangeiro que é necessário para garantir indústrias e serviços capazes de exportar para o exterior, além das matérias-primas básicas".

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhoras dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório

Os cookies ajudam-nos a melhorar a sua experiência como utilizador.

Ao utilizar o nosso website, está a aceitar o uso de cookies e a concordar com a nossa política de utilização.