Meteorologia

  • 18 AGOSTO 2018
Tempo
31º
MIN 29º MÁX 33º

Edição

Cinco camionistas dos CTT suspensos por terem feito greve

Cinco camionistas do Centro de Produção e Logística do Norte dos CTT estão suspensos depois de terem aderido a uma greve protestando contra os novos horários, denunciou à Lusa a Comissão de Trabalhadores da empresa sediada na Maia.

Cinco camionistas dos CTT suspensos por terem feito greve
Notícias ao Minuto

13:29 - 25/05/18 por Lusa

Economia Comissão de Trabalha

Segundo José Pereira, membro da Comissão de Trabalhadores (CT) do Centro de Produção e Logística do Norte (CPLN), "estão cinco camionistas suspensos por exercerem o direito à greve, mesmo tendo seguido todas as instruções que as chefias lhes deram".

Em declarações no âmbito de uma ação de solidariedade à porta da CPLN, no distrito do Porto, que reuniu cerca de 30 funcionários da empresa, José Pereira afirmou que "também o pessoal da produção e do tratamento" e "mesmo as chefias" estão a ser "alvo de terrorismo psicológico".

No caso dos primeiros, a ameaça deu-se "caso participassem no plenário de trabalhadores realizado na quarta-feira", tendo a direção da CPLN ameaçado com "o desvio do serviço para Lisboa [Cabo Ruivo], fechando o centro de tratamento do Norte".

Referindo-se às chefias, o membro da CT denunciou que "nos últimos seis meses três deles sofreram ataques cardíacos", enquanto a outro "retiraram-no do cargo e puseram-no a distribuir correio ou sem fazer nada".

E da empresa onde laboram "cerca de 250 trabalhadores numa situação de pressão constante que já dura há dois anos", o dirigente do Sindicato Nacional dos Trabalhadores dos Correios e Telecomunicações (SNTCT) José Sá vincou que "os correios estão sem rei nem roque, ninguém sabe o que está a fazer" e estão a "perder clientes como nunca".

"Há um propósito claro desta administração de fazer com que os correios sejam mal vistos pela população em geral, culpando os trabalhadores e nunca a gestão", acusou o sindicalista.

Dando conta de "uma promessa" da direção para se "reunir com o sindicato", mas que "ainda não passou disso", José Sá reclamou à Lusa uma "intervenção rápida e direta do Governo".

"É estranho o silêncio do Governo nesta matéria, pois é do conhecimento público, toda a gente reclama, mas ninguém faz nada", lamentou.

Na nota distribuída à comunicação social, o sindicato deu conta de que os trabalhadores do setor dos transportes dos CTT de Lisboa e de Coimbra "estão solidários com os seus camaradas da Maia", estudando a possibilidade de "efetuar formas de luta".

A Lusa tentou obter um comentário da parte dos CTT, mas até ao momento não obteve resposta.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhoras dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório

Os cookies ajudam-nos a melhorar a sua experiência como utilizador.

Ao utilizar o nosso website, está a aceitar o uso de cookies e a concordar com a nossa política de utilização.