Meteorologia

  • 27 JULHO 2017
Tempo
25º
MIN 21º MÁX 28º

Edição

Seleção só ganhou cor quando André Silva fez companhia ao solitário CR7

Fernando Santos apostou num 4x3x3 frente ao México mas foram evidentes as dificuldades ofensivas de Portugal. Segue-se a Rússia na próxima quarta-feira.

Seleção só ganhou cor quando André Silva fez companhia ao solitário CR7
Notícias ao Minuto

08:33 - 19/06/17 por Notícias Ao Minuto

Desporto Análise

Portugal e México foram protagonistas de um jogo que pareceu ter dois lados. Um deles no qual existiram golos e velocidade e outro onde a partida foi aborrecida e nem sempre bem jogada.

O empate (2-2) acabou por ser o resultado justo, face ao que se passou dentro de campo, mas na memória ficará o aquele golo da seleção mexicana já no período de descontos.

A história de um empate anunciado 

A vitória parecia estar nas mãos mas a seleção nacional não a segurou, em dois lances onde os jogadores portugueses podiam, e deviam, ter feito muito mais para evitar os golos que fizeram voar dois pontos. 

Na primeira parte, Portugal até esteve bem ao contrariar um bom período do México. O golo de Ricardo Quaresma (36’) colocou o Portugal na frente mas não por muito tempo. A defesa de Portugal facilitou perto do intervalo e depois de Guerreiro e Pepe estarem a ‘dormir’, Chicharito Hérnandez (43') não facilitou e restabeleceu o empate.

Na segunda parte, os adeptos presentes na Arena Kazan assistiram a um jogo cinzento, onde sobretudo, faltou criatividade e onde foi notório a falta de ligação entre os setores quando Fernando Santos decide apostar num 4x3x3 clássico.

Foi mesmo no momento em que Fernando Santos decidiu mudar de sistema tático que Portugal melhorou a olhos vistos. A entrada de André Silva fixava dois avançados na frente e a linha média ficou formada por quatro homens. Uma alteração que pecou por tardia. 

O golo apareceu pouco depois mas… por intermédio de um defesa. No caso, Cédric Soares (86') apareceu na grande área mexicana e disparou para o fundo da baliza de Ochoa, num lance que resvalou ainda no portista Herrera.

Quando se esperava o total domínio português, surge mais um erro defensivo e mais um golo pelo ar que deixou Fernando Santos à beira de um ataque de nervos – e tem razões para isso.

Héctor Moreno (90'+1), na sequência de um canto, teve espaço para saltar na pequena área e restabeleceu o empate, resultado que se manteve até final.

Dados estatísticos comprovam equilíbrio e eficácia mexicana 

Se dúvidas existiam quanto ao equilíbrio que pautou o jogo, essas ficam totalmente desfeita com a consulta dos dados estatísticos. Aliás, nesses até fica demonstrado que Portugal teve menos bola e que teve de correr mais vezes atrás dela do que o México. 

No que à eficácia diz respeito, destaque para o facto do México ter feito dois golos em três remates à baliza de Rui Patrício. A seleção nacional fez cinco enquadrados mas por três ocasiões esbarrou num Ochoa que teve momentos dignos de registo.

 

PortugalvsMéxico
41%Posse de bola59%
10Remates 11
5Remates à baliza3
3Remates fora5
2Cantos3
3Fora de jogo1
14Faltas14
2/0Cartões amarelos/vermelhos1/0

Acompanhe as transmissões ao vivo da Primeira Liga, Liga Europa e Liga dos Campeões!

Obrigado por ter ativado as notificações do Desporto ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório