Meteorologia

  • 25 JULHO 2017
Tempo
22º
MIN 20º MÁX 24º

Edição

"Não votarei em Luís Filipe Vieira"

Bruno Costa Carvalho, antigo candidato à presidência do Benfica, escreve esta terça-feira um artigo de opinião a convite do Notícias ao Minuto, versando sobre as eleições do Benfica e o percurso de Luís Filipe Vieira.

"Não votarei em Luís Filipe Vieira"
Notícias ao Minuto

09:14 - 25/10/16 por Bruno Costa Carvalho, a convite do Notícias ao Minuto

Desporto Bruno Carvalho

Luís Filipe Vieira chega a estas eleições do Benfica como candidato único, o que se afigura normal para qualquer Benfiquista.

Há algumas razões boas, e outras nem tanto, que explicam esta situação.

Comecemos pelas boas.

O Benfica é tricampeão. Esse é um motivo avassalador e faz com que dificilmente alguém quisesse substituir Vieira no comando do Benfica porque creio que quem fez isso merece continuar no comando do clube e porque qualquer alternativa seria, evidentemente, esmagada.

Por outro lado, os contratos com a NOS e, sobretudo, com a Emirates, vieram demonstrar que o Benfica volta a gozar de elevado prestígio quer dentro de Portugal quer fora de portas.

Não há nenhum Benfiquista que não possa sentir orgulho nisso. Eu sinto e não tenho quaisquer problemas em constatar que Vieira foi capaz de devolver ao Benfica muita da sua dimensão internacional.

A aposta no Seixal e o lançamento de jovens na equipa principal do Benfica são outra coisa que me faz pensar que algo foi bem feito nestes anos. Depois de, com Vieira a Presidente, o Benfica se ter apresentado pela primeira vez sem um único português no onze titular e onde os jovens tinham o acesso vedado à primeira equipa, é bom constatar que esse caminho foi alterado e que o investimento no Centro de Estágios foi uma das apostas mais visionárias deste Presidente.

Estas são, indubitavelmente, razões de peso para que Vieira se apresente como candidato a solo nestas eleições. Mas, não são as únicas.

Uma segunda ordem de razões que levam a que Vieira seja candidato único prende-se com o facto de que praticamente todos que um dia lhe fizeram oposição terem ido para dentro do Benfica.

Sei bem que o Benfica não é um partido político e que todos os Benfiquistas fazem falta, mas num clube tão grande não seria possível encontrar pessoas com valor que nunca tivessem sido opositores do Presidente?

Nem sequer quero fazer julgamentos de carácter das pessoas que se opunham firmemente ao Presidente e que não hesitaram em juntar-se ao poder assim que tiveram oportunidade para isso...

A verdade é que me parece caricato que, por exemplo, alguém que foi chamado de mentiroso compulsivo pelo próprio Vieira, nos ecrãs da SIC, depois regresse ao clube. Não está em causa o valor das pessoas, mas o seu carácter.

Neste momento, sou o único que nunca quis integrar a estrutura de Vieira e que tento sempre ser coerente nas minhas oposições, não poupando os elogios quando os considero dever fazer, mas também não calando as críticas quando vejo motivos para as tecer. E motivos não faltam, pelo que considero que é bom que no Benfica existam alternativas ao actual Presidente e que não se deixem inebriar perante a luz do poder.

Como dizia, razões não faltam para que eu não me reveja na actual liderança e que me preocupam seriamente.

Se desportivamente tudo corre pelo melhor e o Benfica parece estar no rumo certo, já em termos económico-financeiros caminhamos, sorridentes e de uma forma quase inconsciente, para o abismo.

Luís Filipe Vieira é responsável pelo aumento do endividamento do Benfica em mais de 400 milhões de euros. Só entre empréstimos bancários e obrigacionistas devemos mais de 300 milhões enquanto, por exemplo, o Real Madrid deve 80 milhões.

O estádio já devia estar pago há muito. Foi inaugurado em Outubro de 2003, há precisamente 13 anos, e teve um custo líquido abaixo dos 100 milhões. Não é o estádio que explica a subida do Passivo, como não é o Seixal que foi pago com o “naming” da CGD e muito menos o museu que custou perto de 10 milhões de euros.

O Passivo subiu devido a um despesismo sem precedentes que nem o reforço da equipa principal explica pois as excelentes vendas milionárias tudo deveriam ter compensado.

A sensação do dinheiro fácil de grandes vendas tende a dar péssimos resultados a longo prazo.

Na sua vida pessoal, Vieira é um milionário totalmente endividado e que não hesitou em se alavancar de uma forma brutal. Temo que o mesmo modelo, a mesma lógica, tenha sido trazida para o Benfica. Isso não é aceitável e é extremamente perigoso.

Finalmente, há uma série de princípios morais, e da forma de ver o clube, que me impedem de algum dia ser apoiante do actual Presidente. Luís Filipe Vieira não consegue explicar uma coisa tão simples como o seu número de sócio. A verdade é que nunca houve um único jornalistas que se interessasse seriamente pelo assunto. Parece insipiente, mas não o é. Se o número não for legítimo toda a credibilidade e honra do Presidente se desmoronam.

Depois o Benfica tem uns estatutos tenebrosos, desenhados a perpetuar no poder o actual Presidente (que já nem disso precisa) e muito pouco democráticos, nada condizentes com a sua história.

E temos, ainda, a questão de um esdrúxulo voto electrónico sem um suporte físico que o comprove e que permita recontagens. Ninguém poderá dizer que qualquer votação no Benfica tenha sido adulterada por o uso deste sistema, mas, e em bom rigor, também ninguém poderá pôr a mão no fogo pela sua autenticidade.

Mais grave é a teia de negócios mal explicados e que muito me desagradam.

Em tempos de vitória não se olha com o devido cuidado para esses negócios, mas eles existem, são muito duvidosos e não percebo como não são investigados com mais profundidade.

Num cômputo geral, não posso, em consciência, apoiar ou votar em Vieira, mas admito que a sua continuidade é legítima.

O maior desafio de Vieira será o de, mantendo a competitividade da equipa, melhorar significativamente a situação financeira do Benfica, acabar com o despesismo e com os negócios dúbios.

Uma revisão estatutária que devolva a normalidade e a transparência ao clube é algo que, também, se impõe.

Aconselho, finalmente, Vieira a não ceder à tentação de se perpetuar indefinidamente no poder e a estabelecer um limite máximo para a sua saída.

Eu não quero ver um Benfica com enormes problemas de sucessão ou um clube à beira da falência cheio de milionários.

Ainda há tempo, não muito, para corrigir a situação. É isso que espero do próximo mandato.

Vieira pode ficar na história do Benfica pelas melhores ou pelas piores razões. O julgamento ainda não está feito.

Acompanhe as transmissões ao vivo da Primeira Liga, Liga Europa e Liga dos Campeões!

Obrigado por ter ativado as notificações do Desporto ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório