Meteorologia

  • 15 AGOSTO 2022
Tempo
19º
MIN 18º MÁX 27º

"Independentemente de pareceres e votações, nós somos campeões"

O Marítimo garantiu hoje que continua a integrar-se na categoria de campeão nacional, apesar da decisão da Assembleia-Geral da Federação Portuguesa de Futebol (FPF) em manter a atual contagem de títulos no campeonato e na Taça de Portugal.

"Independentemente de pareceres e votações, nós somos campeões"
Notícias ao Minuto

21:32 - 30/06/22 por Lusa

Desporto Marítimo

""O Club Sport Marítimo, de qualquer forma, já havia sublinhado a sua posição irredutível: independentemente de comissões, pareceres e votações, nós somos Campeões de Portugal", pode ler-se no comunicado publicado pelos 'verde-rubros' no seu sítio oficial na internet.

O emblema, que se assume como campeão nacional de futebol, pela conquista do Campeonato de Portugal em 1926, "lamenta o desperdício de tempo e de recursos, a única conclusão a extrair da reunião magna da Federação Portuguesa de Futebol", sublinhando que o país "aguardou com expectativa esta oportunidade de se fazer história".

"Não é compreensível a votação maioritária numa proposta que mantém tudo como estava, após investimento em pareceres académicos e discussão abundante. No mínimo, que se optasse por um dos pareceres que acertavam contas com a história centenária das competições nacionais de futebol, sob a égide da FPF", refere a nota assinada pelo presidente Rui Fontes.

Na Assembleia-Geral extraordinária da FPF, realizada na quarta-feira, a maioria dos delegados (33) daquele órgão social federativo opôs-se à recontagem dos títulos, rejeitando, desta forma, os três pareceres que tinham sido levados a votação, um dos quais apresentado pelo Sporting.

Dos restantes delegados e sócios, 13 votaram favoravelmente no primeiro parecer, oito votaram a favor do terceiro e apenas um votou no segundo parecer.

O primeiro parecer levado a votação defendia que os vencedores do Campeonato de Portugal entre 1921/22 e 1933/34, e do Campeonato da Liga, disputado em simultâneo, a título experimental, entre 1934 e 1938, fossem declarados campeões nacionais, enquanto os vencedores do Campeonato de Portugal entre 1934/35 e 1937/38 seriam consagrados como vencedores da Taça de Portugal.

O segundo identificava o Campeonato de Portugal como antecessor da Taça de Portugal, que começou a ser disputada em 1938/39, e o Campeonato da Liga como correspondente do campeonato nacional.

A proposta apresentada pelo Sporting, que venceu o Campeonato de Portugal em 1922/23, 1933/34, 1935/36 e 1937/38, defendia o reconhecimento destes títulos como de campeão nacional.

Esta competição foi ainda vencida quatro vezes pelo FC Porto (1921/22, 1924,25, 1931/32 2 1936/37), três pelo Benfica (1929/30, 1930/31 e 1934/35) e pelo Belenenses (1926/27, 1928/29 e 1932/33) e uma pelo Olhanense (1923/24), pelo Marítimo (1925/26) e pelo Carcavelinhos (1927/28).

Já o Campeonato da Liga, ou Liga Experimental, foi vencido três vezes pelo Benfica (1935/36, 1936/37 e 1937/38), depois da conquista do FC Porto no ano de estreia (1934/35).

Em 19 de janeiro de 2019, o assunto foi debatido na Assembleia da República (AR), tendo os vários grupos parlamentares considerado que o reconhecimento das edições do Campeonato de Portugal realizadas entre 1922 e 1938 é matéria, dada a sua especificidade, da competência da FPF.

O tema foi levado a debate na sessão plenária na AR sob a forma de uma petição liderada por Alexandre Silva Almeida, com 4.470 subscritores, que pretendia ver reconhecidos como títulos de campeão nacional as 17 edições do Campeonato de Portugal.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;

Acompanhe as transmissões ao vivo da Primeira Liga, Liga Europa e Liga dos Campeões!

Obrigado por ter ativado as notificações do Desporto ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório