Meteorologia

  • 27 SETEMBRO 2021
Tempo
25º
MIN 14º MÁX 26º

Edição

A felicidade de André Cardoso por voltar a estar do "lado de cá"

André Cardoso está de regresso ao pelotão e não poderia estar mais entusiasmado por sentir-se novamente parte da Volta a Portugal em bicicleta, querendo colocar toda a sua experiência ao serviço de um triunfo da Efapel.

A felicidade de André Cardoso por voltar a estar do "lado de cá"

"Agora, as pessoas não podem ver o meu sorriso, mas eu estou-me a rir", dispara, enquanto destapa momentaneamente o rosto para que a 'audiência' possa testemunhar o sorriso rasgado que se esconde debaixo da máscara.

Quatro anos depois de ter sido suspenso por doping, André Cardoso regressou a 'casa', à corrida que o catapultou para o pelotão internacional há quase uma década, e a sua felicidade pelo reencontro com os 'seus' é evidente, quer nos gestos, quer nas palavras.

"Este era o meu desejo, estar na Volta a Portugal, voltar a colocar um dorsal. Sinto-me bastante realizado. Foi um trabalho longo, mas sinto que estou preparado e que não irei defraudar todas as expectativas que a equipa pôs em mim. É muito bom, eu gosto de estar do lado de cá. Ver da parte de dentro. Sentir-me parte da Volta", assume, em declarações à agência Lusa.

Espontâneo como poucos, aquele que é um dos ciclistas mais populares do pelotão luso admite que a emoção do regresso à Volta não se compara com a da sua estreia na prova rainha do calendário nacional, até porque tem "outra experiência", o que, ainda assim, não evitou que sentisse ansiedade nos dias anteriores ao arranque da 82.ª edição, por um motivo muito particular.

"Tanta coisa me aconteceu nos últimos quatro anos que tinha um bocado de receio de qual fosse o resultado do teste covid. A partir daqui, está tudo bem. Eu queria receber o teste negativo para estar aqui a trabalhar, porque cheia de incidências está a minha vida", brinca.

O trepador de 36 anos chega à Volta a Portugal, que hoje arranca com um prólogo em Lisboa e que acaba em 15 de agosto, em Viseu, com pouquíssimos dias de competição, uma vez que a sua suspensão só terminou em 26 de junho, mas diz-se preparado para enfrentar o que aí vem, depois de ter seguido um plano de preparação específico.

"É mais fácil estar dentro da competição, atingir um bom nível, porque a própria competição dá-te aquilo que, às vezes, é necessário. Não sendo possível dessa forma, é preciso fazer um trabalho de casa bastante bom, estar magro como sempre, andar bastante atrás da mota -- fazer o chamado 'moto-pacing', e agarrar-me com unhas e dentes ao trabalho para que chegue às competições na melhor condição possível", enumera.

Para o corredor de Gondomar, o Troféu Joaquim Agostinho, onde foi 13.º na geral final, foi a corrida que lhe deu "aquele 'pontinho' que era necessário", assumindo acreditar que pode estar "ao nível" a que foi "habituando os portugueses".

"Não sou um ciclista de vir à Volta para participar. Sou um ciclista com muita experiência internacional. Acho que essa sempre foi uma das armas que fui demonstrando à equipa Efapel. O meu muito obrigada ao Carlos e ao Ruben Pereira, que acreditaram em mim, que tiveram uma aposta arrojada. Sem eles não seria possível estar aqui", destaca, referindo-se aos seus 'patrões'.

Cardoso nega que tenha objetivos pessoais numa prova onde foi vice-campeão em 2011 e venceu a juventude e a montanha em 2007, revelando que a sua missão é usar a sua experiência, adquirida também no WorldTour (entre 2014 e 2017) e nas sete grandes Voltas que disputou (e que nunca acabou abaixo do 25.º lugar), para "tentar tranquilizar toda a equipa".

"Temos um líder assumido, que é o António Carvalho. A corrida pode pender para vários lados, são 11 dias e, por vezes, temos de agir rápido em situações de corrida, e acho que aí, e face à condição física que poderei ter nesta Volta, serei uma mais-valia para todos eles. O nosso objetivo é ganhar a Volta a Portugal. Mostrar que somos uma equipa organizada e que trabalhamos em função de um objetivo. E o nosso objetivo é claro: tentar discutir a Volta, meter um homem no pódio, e, se possível, ganhar etapas", assume.

E poderá ser o próprio 'Cholas' a tentar alcançar esta última meta? "Já ganhei na Torre [2011], claro que a Senhora da Graça tem um carisma especial, até porque este ano poderão estar novamente as pessoas a assistir e isso dá-te aquela pele de galinha que, por vezes, é necessária na competição, dá-te aquela forcinha extra. Mas o grande objetivo é a vitória final", insiste.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Acompanhe as transmissões ao vivo da Primeira Liga, Liga Europa e Liga dos Campeões!

Obrigado por ter ativado as notificações do Desporto ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório